domingo, 28 de setembro de 2008

DATA DO ENTERRO DO BASQUETE NACIONAL


De: BR
Enviada em: quinta-feira, 25 de setembro de 2008 13:01
Para: Carlos Alex Soares
Assunto: DATA DO ENTERRO DO BASQUETE NACIONAL




   MAIO DE 2009 ( "eleição" da CBB )



Recebi o e-mail, que reproduzo acima e resolvi transformar o assunto da mensagem em título desse post, no início da semana. Fiquei me questionando sobre qual seria o impacto de tal previsão e lutando contra tamanho pessimismo – como a maioria dos brasileiros sou otimista, portanto eu acredito no amanhã. Entretanto, ontem fui informado que o presidente da FGB (que nada fez pelo basquete gaúcho; aliás, fez: sucateou-o) se desligará da Assessoria que presta ao Presidente da CBB (forma escolhida para poder manter o poder na FGB) e se candidatará como Vice de Antonio Chakmati (presidente da Federação Paulista) que em 2006, na época do Mundial Feminino em São Paulo, esbravejou contra a CBB e contra aqueles que “caíram de pára-quedas e mudaram tudo que a FPB havia feito”. Sabem quem comandava o grupo da aeronáutica da CBB e depois disse que arrumou o que estava bagunçado na organização do mundial? Ele mesmo, Carlos Nunes, o Carlinhos da FGB, que dizem será seu vice do Chakmati.

sábado, 20 de setembro de 2008

Liberdade. Igualdade. Humanidade.

“Mas não basta pra ser livre
ser forte, aguerrido e bravo,
povo que não tem virtude
acaba por ser escravo.”
(Última estrofe do Hino Riogrande)
Esse é o lema do brasão do Rio Grande do Sul e também o lema da Revolução Francesa. Impossível não pensar no quanto de sangue gaúcho, de co-irmãos foi derramado para o RS conquistar o respeito do restante do Brasil e hoje ser um dos grandes estados do país.
Hoje comemoramos a Revolução Farroupilha e eu venho, como um lanceiro negro, à frente dos demais membros do basquete gaúcho pedir um minuto de reflexão, pedir segundos das lembranças que passam pelas mentes dos técnicos mais antigos em atividade no RS e de outros que hoje são professores universitários. Meu singelo pedido vem com a radicalidade freireana, vem gritar que precisamos ir à origem do processo de sucateamento do nosso basquete e darmos um grito de liberdade.
Venho convidá-los a sonhar com o basquete de minha infância (início dos anos 80) e convidá-los a trabalhar pela multiplicação do mesmo, buscando o fim desse descaminho que nos encontramos na atualidade e podermos voltar a ver o crescimento do basquete. Venho clamar por mudanças, que começam pela presidência da FGB atual que, em 14 anos, prestou um grande desserviço ao nosso esporte. Lembrem de como eram os estaduais, o Amaro Júnior em 1992... Reflitam sobre como é hoje... Eu me lembro, como árbitro eu corria o estado todos os finais de semana e o grupo de arbitragem era bem maior e qualificado do que o atual.