quinta-feira, 30 de abril de 2009

Anonimato é covardia

Escrevi o texto abaixo no blog do Fábio Balasiano por causa de postagens anônimas que lá estão ocorrendo e de forma deselegante e ofensiva. Ter confronto de idéias e modus operandi diferente dos que aí estão não me dão salvo conduto, apenas quero ser e agir de forma diferente. É sobre isso que escrevo. Postura, ética, respeito, crítica, reconhecimento são necessários e imprescindíveis durante processos de denúncia, reclamações ou mesmo de congratulações por realizações em prol do objetivo comum: o basquete.

O que escrevi até aqui fica para reflexão dos leitores, mas tenham em mente que quando posto em blogs do basquete no Brasil e no exterior assumo meu pensamento usando meu e-mail e meu verdadeiro nome – o mesmo que esta incluído no final dessa mensagem.

Portanto, reforço que não coaduno com anonimato, mas penso que as coisas só mudam quando as pessoas assumem as coisas que dizem e lutam por seus ideais. Sei que ser vanguarda exige o necessário “estômago de avestruz” para suportar as pressões, as tentativas de desmoralização, as ofensas e desqualificações que irão ocorrer. Não desistir do que se pensa e defender com radicalidade e amorosidade é fundamental para conquistar a vitória que buscamos.

Abaixo minha postagem no blog Bala na Cesta:

Quero deixar registrado aqui, como farei no Mais Basquete, que as mensagens como anônimo não são de minha autoria. Sou muito homem para dizer/escrever e assumir o que digo/escrevo, assinando embaixo. Não me comunico por pseudônimos na internet e sempre assino com o meu nome, Carlos Alex Soares.

Escrevo isso por ter recebido alguns e-mails questionando os motivos que me levavam a postar como anônimo no blog do Fábio e, se alguns amigos pensaram que era eu que estava postando, com certeza outras pessoas também.

Quanto a eleição do dia 4/5, espero apenas que o vencedor faça algo de concreto pelo basquete brasileiro. Não há o que fazer nesse momento, pois os candidatos são estes e os eleitores são os presidentes das federações. O prazo de contestar esta com validade vencida, temos é que fiscalizar, de cima, qualquer um deles e concretizar as mudanças que o basquete brasileiro necessita.

Agradeço ao Fábio por publicar essa postagem.

Atenciosamente,

Prof. Carlos Alex Soares

carlosalexsoares@gmail.com

http://maisbasquete.blogspot.com

Pelotas-RS

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Qual seu maior medo filho?

A resposta a pergunta que Coach Carter repete várias vezes no filme homônimo vem com base no poema "Medo maior" de Marianne Williamson. A resposta do atleta, que começava a se envolver com drogas e a violência das ruas foi:
“Nosso medo mais profundo não é sermos incapazes. Nosso medo mais profundo é termos poder demais. È nossa luz e não nossa escuridão que nos assusta. Não há nada de luminoso em se diminuir, Para que outras pessoas não se sintam inseguras a sua volta. Fomos todos feitos para brilhar como as crianças. Não está só em alguns de nós, está em todos. E ao deixarmos nossa própria luz brilhar, Inconscientemente permitimos que outros façam o mesmo. Já que nos livramos do nosso próprio medo. Nossa presença automaticamente libera outros.” (do filme Coach Carter)
Agora, leia o poema...

segunda-feira, 13 de abril de 2009

Um brasileiro, menos Grego

O basquete brasileiro é nosso. Meu, de meus atletas, de meus filhos que esperam sua hora, dos atletas dos clubes gaúchos, dos paulistas, dos pernambucanos, dos mineiros, dos técnicos desse imenso país, não dos cartolas. Mas precisamos deles, pois eles administram nossa entidade máxima e as subdivisões regionalizadas. Se fizerem isso de maneira planejada, com estruturação adequada e que nos  permita voltarmos a ser o que o Brasil é (um país vencedor), ficaremos felizes. Enquanto muitas nações se digladiam e se matam, nós usamos fuzis dos anos 1960, tal a nossa vocação para a paz que nem precisamos de armas modernas e outros tais – eu sei que perdemos a guerra contra o tráfico de drogas nos morros do Rio de Janeiro, mas lá é conseqüência de más administrações. Há solução, mas para isso o governo precisa querer colocá-la em prática.

sexta-feira, 10 de abril de 2009

A formação de atletas no Brasil

Sempre que falamos em formação de atletas ou dos muitos minutos que estrelas do esporte concedem para a mídia como conseqüência de atitudes equivocadas, falamos do suporte familiar e da formação do homem que os clubes deveriam priorizar. Os exemplos públicos, no Brasil, são na grande maioria oriundos do futebol. E vocês sabem que meu meio é o basquete, mas tratar de formação de atletas é algo que me chama a atenção e me faz refletir cotidianamente nos caminhos que devemos seguir.