quinta-feira, 27 de março de 2014

Ainda mais líder

Em duelo de gigantes do leste melhor para o Pacers
   Em jogo extremamente disputado os atuais campeões da NBA, Miami Heat foram a Indianapolis e perderam para os donos da casa e líderes da conferência leste. Em partida muito disputada e com atuação monstruosa de Lebron, o Heat acabou saindo derrotado.
   Na partida de ontem a noite, a equipe de Lebron buscava ficar ainda mais perto dos líderes Pacers, se vencessem a diferença caíria para três partidas. O diferencial da partida se deu na atuação das equipes, enquanto pelo Heat o grande destaque foi Lebron com 38 pontos (sendo 20 deles nos primeiros dois períodos), 5 assistências e 8 rebotes, acertando 11 em 19 dos arremessos de quadra, mas infelizmente jogando sozinho. Wade anotou 15 pontos e Bosh apenas 8, o que dificultou a vida dos atuais campeões.
Jogada de Paul George sobre Lebron
   Enquanto isso, pelos Pacers, o trabalho em equipe deu resultado, consolidando a vitória no finalzinho da partida (graças a cesta que Bosh errou no estouro do cronômetro e a cesta que West acertou segundos antes). Com excessão de Hill que anotou apenas 2 pontos, West com 13, Stephenson com 15, Roy Hibbert com boa atuação, anotando 21 pontos e Paul George que jogou muito bem, inclusive com uma cravada depois de entortar Lebron, anotando 23 pontos, 8 rebotes e 5 assistências, ditaram o tom de mais uma vitória. A provável final do leste apresentada ontem, demonstrou que teremos muitos jogos disputados e com uma grande força na marcação, e se forem como os de ontem, o vencedor será a equipe que conseguir fazer sua equipe jogar melhor de forma coletiva.
   Ainda sobre a partida, foi um jogo bem disputado e de animos exaltados, como Stephenson que foi excluído pela segunda falta técnica (uma por se engalfinhar com Wade e outra por trash talk com o mesmo), Bosh que perdeu o arremesso da vitória a dois segundos do final, e as inúmeras reclamações sobre a arbitragem. Tudo que um grande jogo, entre os melhores times do leste poderia ter. Agora o Heat enfrenta os Pistons em Detroit na sexta, enquanto o Pacers viaja até a capital para enfrentar os Wizzards. A campanha do Heat é de 48 vitórias e 22 derrotas e dos Pacers de 52 vitórias e 20 derrotas.

segunda-feira, 24 de março de 2014

MVP

MVP sem mais, esse é o ano de Durant

   Por mais que falem o contrário, o MVP dessa temporada da NBA é Kevin Durant, não tenho dúvidas disso. É bem verdade que ainda tem pouco mais de 15 jogos, mas acho difícil que Lebron, segundo colocado segundo o site da NBA alcance KD que lídera a lista.
   A lista não variou mais desde a última semana, no site da NBA estão listados em sequência: 1. KD, 2. Lebron, 3. Blake Griffin, 4. Joakim Noah e 5. James Harden. Desses 5, a maior "surpresa" é Noah, mesmo jogando muito bem a um bom tempo, seu nome supera, Tin Duncan, Tony Parker, Paul George, entre outros presentes na lista. Mas, voltando a disputa entre KD e Lebron, é inevitável que eles sejam os dois primeiros e que lutem semana após semana pelo título de MVP, mesmo com Blake Griffin jogando sua melhor temporada e carregando os Clippers sem Chris Paul por um tempo razoável.
   Kevin Durant e Lebron James estão acima da média na liga, ambos são os caras de suas equipes, e provam isso com jogos em que marcam 61 pontos (Lebron contra Bobcats), 54 pontos (Durant contra os Warriors) fora as inúmeras noites em que marcam 30 pontos ou mais. Porém traçando um comparativo entre os astros, KD tem sido melhor nessa temporada (os fãs de Lebron que me perdoem), mas o jovem astro dos Thunders conseguiam fazer sua franquia ser a líder do lado oeste, após estar em quarto lugar e jogando sem seu armador. KD simplesmente pos a bola em baixo do braço e resolveu tudo, tem sido mais "clutch" que Lebron, resolvendo muitos jogos nos segundos finais, lidera a liga em pontos com 31.8 por jogo (Lebron é o terceiro com 28.1 de média). Além disso, Durant com seus 35 pontos sobre os Cavaliers, chegou ao segundo lugar da seleta lista de 25 pontos seguidos na história, chegando a 33° partida com essa pontuação, atrás apenas de Michael Jordan que em 1986/1987, chegou a 40 jogos com mais de 25 pontos, na sua temporada mais eficiente em arremessos com média de 37.1 pontos.
   Durant já liderou a liga em pontos por inumeras vezes, é um astro a um bom tempo e bem jovem e provavelmente levará o título de MVP desse ano, acho difícil que ele perca. Em jogos que se enfrentaram, Lebron e Durant, KD foi mais eficiente e dominou Lebron durante os confrontos, o que reforça a ideia de que seja o MVP.

quarta-feira, 19 de março de 2014

Basquete Brasileiro na Web

A Liga Nacional de Basquete anunciou que transmitirá três partidas da fase de classificação pela internet, buscando ampliar a exposição da modalidade no país. Baita avanço!


Os jogos que serão transmitidos ocorrerão na fase de classificação da atual temporada, 2013/2014, da semana de 24 a 30/03/2014. O internauta terá acesso as estatísticas em tempo real e também poderão assistir lances de algumas partidas e terá os comentários de Cadum Guimarães, ex-armador da Seleção Brasileira, nos dois jogos que ocorrem em São Paulo. E na partida do Rio de Janeiro será a vez de Miguel Ângelo da Luz, técnico campeão mundial com a seleção feminina em 1994 e do Tijuca na temporada 2012/2013.
O presidente da Liga afirmou que: "a LNB sempre teve a intenção de poder proporcionar aos fãs de basquete mais transmissões dos jogos. Temos, hoje, as partidas transmitidas em Tempo Real e o acompanhamento nas redes sociais que já são ferramentas bastante utilizadas pelo público. Com certeza, esse será mais um fantástico canal de divulgação do basquete brasileiro. A LNB faz da inovação uma de suas marcas".
Com certeza essa será uma oportunidade da Liga ampliar a audiência da modalidade, já que os jogos do NBB estão restritos aos assinantes de TV paga que, segundo o IBGE (junho/2013), possuía quase 17 milhões de assinantes que representam 8,6% da população brasileira.
A LNB pretende ampliar este processo a partir da temporada 2014/2015 como parte da estratégia de ampliar a exposição do basquete nacional e dar visibilidade a NBB, Liga Ouro e a LDB.
Esse processo será uma parceria entre a Liga Nacional e a Eventos Ao Vivo, empresa do Rio de Janeiro especializada em transmissões ao vivo de jogos, shows e conferências.

Dia 25/03 (terça-feira)
20h - São José/Unimed x Palmeiras/Meltex

Dia 27/03 (quinta-feira)
20h - Flamengo x Unitri/Magazine Luiza

Dia 29/03 (sábado)
17h - Winner/Kabum/Limeira x UniCEUB/BRB/Brasília

segunda-feira, 17 de março de 2014

Síndrome?

A síndrome do último volta a assolar Lebron

   Antes que digam algo do tipo, que eu não gosto do Lebron, que sou um hater ou algo assim, deixo claro aqui minha admiração pelo atleta e que ele é o melhor da liga na atualidade, indiscutivelmente. Porém, vem sofrendo com uma síndrome antiga e com a qual parecia já haver achado a cura.
   Para quem acompanha a liga a mais tempo, sabe bem do que falo, até o ano passado, Lebron que sempre jogou demais e teve atuações incríveis nos últimos anos, sofria de uma "síndrome do último período", pois sempre sumia nos momentos finais e consequentemente decisivos da partida. Parecia que isso havia acabado, afinal foi decisivo nas finais da NBA e até o jogo em que anotou 61 pontos nessa temporada era disparado o melhor da liga e candidato que liderava a corrida para o MVP. Infelizmente, após entrar para o seleto grupo de atletas que anotou 60 pontos ou mais na carreira, Lebron voltou a enfrentar sua "síndrome", com atuações péssimas no pultimo período.
   Nos jogos que seguiram após a marca de 61 pontos, Lebron tem errado muito e como no jogo de sexta contra os Nuggets, muito bem frisado por Zé Boquinha, parece estar com medo de definir as jogadas, quando tem oportunidade de arremessar opta por dar um passe, se livrando da reponsabilidade. E, contra fatos não hesistem argumentos, Lebron está jogando como o velho Lebron, que sumia quando devia resolver e isso o está prejudicando. Com essas atuações "comuns", Lebron caiu para segundo na corrida de MVP e viu Durant assumir a ponta e Griffin chegando perto.
   Provavelmente é apenas uma má fase, ninguém joga a vida inteira no topo, mas os torcedores do Heat esperam que isso passe rápido e os bons números retornem. As vitórias voltaram, após duas derrotas seguidas em casa, bateram os Rockets ontem e Lebron jogou bem, anotando 24 pontos, 5 assistências e 5 rebotes, mesmo com um aproveitamento abaixo de sua média (8/17 dos arremessos). O melhor jogador da liga precisa reencontrar seu basquete no último período e assim poder voltar a liderar a disputa de MVP, e fazer valer o título de King.

sexta-feira, 14 de março de 2014

Futuro turbulento

Dupla de estrelas desfalcará equipe até o final da temporada

   Se essa temporada já esta ruim para os fãs dos Lakers, o futuro pode ser ainda mais turbulento. Nessa semana duas notícias frustaram os torcedores que esperavam pelo ressurgimento das cinzas, assim como a Fênix, mas isso pode não acontecer.
   Foi noticiado que Steve Nash, com problemas nas costas, e o super astro Kobe Bryant com lesão na tíbia, ficarão de fora de toda a temporada 2013/2014. Para quem esperava que os craques voltassem e tornassem a temporada menos dolorosa, terão que amargar as ausências e torcer para uma renovação do elenco. A esperança dos Lakers é de poder ter boas escolhas no Draft, esse ano são muitos os atletas promissores na classe de 2014, sem falar nos atletas free agents (Love, Anthony, Lebron), que podem fortalecer o elenco.
   Essa temporada é para ser esquecida, perderam em casa por 48 pontos, maior derrota da história da franquia e para o primo pobre, que agora dita as regras na cidade. Além disso, vem tendo uma das piores campanhas de sua história, com 22 vitórias e 43 derrotas é o último colocado da conferência oeste, a frente apenas do Sacramento Kings. Para uma franquia que é a segunda maior vencedora da NBA, com 16 títulos (1 a menos que os Celtics), a fase que enfrenta a franquia é vexaminosa, porém com a grandeza e a força que possuí, seu ressurgimento deverá acontecer, talvez não tão rápido como todos querem, mas acredito que os Lakers voltarão a brilhar na liga.
   

terça-feira, 11 de março de 2014

Big Night

Talvez o melhor de sua posição na liga,
Griffin tem noite inspirada e 37 pontos
   Na noite passada duas atuações chamaram a atenção, Blake Griffin e Michael Carter-Williams destruíram em suas partidas, mas com melhor sorte para os Clippers de Griffin.
   O jogo entre Clippers e Suns, parecia ser muito fácil para a equipe de Los Angeles, indo para o segundo tempo com 22 pontos e até o terceiro período parecia um jogo ganho. Mas algumas ações equivocadas quase custaram a vitória, como por exemplo Blake Griffin que tinha 37 pontos, foi excluído da partida por 6 faltas em uma bandeja que tentou realizar, arremessos precipitados e alguns erros no ataque, com passes em momentos errados que ocasionaram contra-ataques bem aproveitados. Isso durou até a cesta de Chris Paul a menos de dois minutos para o fim. 
   Mas a noite notável foi de Blake Griffin, o ala/pivô jogou demais e vem mostrando a cada jogo o quão dominante ele pode ser no garrafão. Quando Paul esteve fora assumiu a responsabilidade e jogou demais, e mesmo com o retorno de seu colega anotou incríveis 37 pontos, acertando 14 dos 16 arremessos que realizou durante a partida e 9 dos 10 lances-livres que chutou. Uma performance que não foi ainda melhor por sua exclusão por faltas, aliás deve-se ressaltar a briga que teve com P J Tucker, que lhe deu um soco após se enrolarem na disputa do rebote, único momento de tensão de Griffin na partida. Os Suns saíram com a vitória e o destaque da partida não poderia ser outro.
Provável novato do ano, com triplo-duplo, Carter-Williams
se destaca em derrota contra os Kinicks
   O outro atleta que teve uma grande noite é o novato sensação, Michael Carter-Williams, que vem demonstrando estar pronto para a liga e que merece ser o novato do ano, mesmo que eu prefira o estilo de jogo de Oladipo, acho que a disputa está encerrada. O armador fez o que pode, mas não evitou a derrota para os Kinicks, mesmo anotando 23 pontos (8 em 12 dos arremessos de quadra e 6 em 9 dos lances-livres), pegando 13 rebotes e distribuindo 10 assistências. Os Sixers não foram páreos para os Knikcs de Melo, com seus 22 pontos, 9 rebotes e 5 assistências, uma atuação ótima de J.R. Smith com 22 pontos e uma atuação como nos velhos tempos de Stoudemire com 23 pontos (9 de 10 dos arremessos de quadra) e 6 rebotes. Mesmo com as atuações ótimas dos astros dos Knicks, o jovem Carter-Williams prova a cada dia que já entrou na liga pronto, e com certeza será o astro que tentará reerguer a franquia. Em poucos anos provavelmente atingirá o patamar de Irving e espero que seja assim, isso que faz a liga ser tão sensacional, a troca de gerações.
   
   

domingo, 9 de março de 2014

Cadê o three-peat?

Com amarelada de Lebron, Bulls vence na prorrogação
   Com amarelada de Lebron no final do jogo e Noah dominando o Heat, Bulls vence na prorrogação e prova que pode sim chegar nas finais da NBA. Sem produtividade nenhuma na prorrogação, o Heat aparenta estar cansado e demonstrando como será difícil o three-peat.
   O jogo já demonstrava que seria difícil, o astro do Heat nos dois primeiros períodos do jogo fez apenas 4 pontos. Depois demonstrou, como de costume ao jogar mal e seu time estar perdendo, descontrole e quase saiu no braço com Jimmy Butler. O Bulls chegou a estar perdendo por 12 pontos no último período, a 2:45 minutos do final da partida, Noah fez uma cesta que empatou a partida em 82. Lebron teve a bola do jogo e a 5 segundos do fim, amarelou, bateu para dentro e teve a bola roubada por Butler, e ficou como sempre pedindo falta.
Com atuação monstruosa de Noah Bulls vence Heat
   O destaque do Heat foi Dwane Wade que anotou 25 pontos, Lebron jogou mal, acertando 8 em 23 de seus arremessos e terminou a partida com 17 pontos, 8 assistências e 9 rebotes. Essa foi a terceira derrota seguida do Heat, e pelo jeito o three-peat esta indo por agua a baixo. Já pelos Bulls, vários foram os destaques, o primeiro deles Noah, um monstro, vivendo a melhor temporada de sua vida, anotando mais um duplo-duplo, com 20 pontos, 12 rebotes, 7 assistências e 5 tocos, igualando Shaq em 2004, e sendo o primeiro jogador a ter uma marca dessas desde Shaq. Além dele, Jimmy Butler jogou demais, anotou 16 pontos, 11 rebotes e 4 roubos de bola, sendo o último crucial, levando o jogo para prorrogação e quem vem jogando demais, D.J. Augustin, que vindo do banco anotou 22 pontos acertou 4 de 6 dos três pontos e 8 em 13 de seus arremessos.
   Com o jogo de hoje o Bulls demonstra uma superioridade em casa contra o Heat, pois não perdeu nenhum jogo nessa temporada diante desse adversário, sinto cheiro de taça chegando a Chicago.
   

domingo, 2 de março de 2014

Always a Sixer


Always a Sixer: o número 3 eternizado
   Lendas merecem respeito, e jogadores especiais como The Answer, Allen Iverson, merecem todas as honras possíveis. Ontem a noite o astro teve sua camisa aposentada e o número 3 imortalizado, como foi apresentado em sua camiseta, Iverson é um Sixer para sempre.
   A carreira do armador, monstro do crossover e que não gostava muito de treinar foi formidável, a ponto de conseguir carregar nas costas um time fraco e levá-lo até as finais da NBA. O armador de apenas 1,83 m, foi que se destacou por Georgetown, foi selecionado em 1996 pelos Sixers na 1° posição, o atleta de corpo franzino, destacava-se por sua habilidade em achar espaços para arremessar, habilidade em driblar e sua velocidade. Iverson entrou na liga e em seu primeiro ano foi eleito Rookie do ano e MVP do jogo dos novatos, terminando seu ano de estréia com médias de 23.5 pontos, 7.5 assistências e 2.1 roubos de bola. Se isso já era incrível, o que viera depois seria ainda maior, mesmo perdendo as finais de 2001 para os Lakers de Kobe e Shaq, Iverson fez uma das mais impressionantes performances das finais, no jogo um, no Staples Center e anotou 48 pontos, 6 assistências e roubou 5 bolas. Infelizmente, foi a única vitória de sua franquia nas finais, mas já era um grande feito para um atleta que carregou uma equipe as finais da NBA sozinho e após 18 anos na fila.
The Answer, um dos melhores da liga 
   Infelizmente, Iverson entra para a lista de grandes astros que não venceu um campeonato sequer e que encantou a liga com seu estilo de jogo. Antes de "Uncle Drew", quem humilhava os adversários era The Answer com seus dribles impossíveis e bandejas acrobáticas. Quando comecei a acompanhar a NBA, Iverson era um dos meus jogadores favoritos e ainda é, para mim foi um dos melhores armadores que passou pela liga e sua forma de jogar me encantava e me inspirava a tentar ser melhor sempre. Mesmo que tenha tido problemas por não gostar de treinar, o cara parecia ter nascido para aquilo e seu jogo sempre foi excelente. Teve médias na carreira de 26.7 pontos, 6.2 assistências e 2.2 roubos de bola por partida, foi All Star por 11 vezes, 3 vezes líder em roubos de bola (2001-2003) e 4 vezes cestinha da temporada (1999, 2001-2002, 2005). 
   Esse texto serve apenas para exaltar o melhor armador que vi jogar, e homenagear esse jogador de personalidade forte e que merecia muito vencer um título da NBA, uma das maiores injustiças de sua carreira. Termino com uma frase dita pelo próprio Iverson: "Quando eu era jovem todos riam de mim quando eu dizia querer ser um jogador profissional. Agora é a minha vez de rir."

sábado, 1 de março de 2014

Fazendo história no templo do basquete

Dupla destruiu a defesa dos Knicks 
   Alguns jogadores fazem história no templo do basquete, o Madison Square Garden, Jordan bailava e reinava lá, Kobe fez um caminhão de pontos, Melo conseguiu a maior pontuação da história, e Stephen Curry que vai fazendo seu nome.
   No ano passado o jovem armador dos Warriors anotou 54 pontos, e na noite passada comandou um atropelamento daqueles, conseguindo um triplo-duplo de 27 pontos (9/19 dos arremessos de quadra), 11 rebotes e 11 assistências. O armador acabou com o jogo, muito ajudado por seu jovem companheiro Klay Thompson com 25 pontos (9/17 dos arremessos de quadra). Outro jogador que destacou-se pela partida que fez, mesmo "velho" e vindo do banco, foi Jermaine O'Neal, que anotou 15 pontos e pegou 6 rebotes nos 20 minutos em que esteve em quadra. 
Duelo de estrelas
   Enquanto isso, pelo lado dos Knicks um dos destaques foi novamente Melo, infelizmente o astro joga sozinho pela franquia de Nova Iorque, e muito de seu aproveitamento ser baixo em muitos jogos deve-se ao fato de que ele jogam em média 39 minutos, o que é muito elevado, ainda mais no nível que ele atua, sempre brigando por rebotes e com muitas infiltrações. Mas, o atleta anotou 23 pontos (7/26 dos arremessos de quadra) e 16 rebotes, seguido por Tim Hardaway Jr. que veio do banco, jogou 40 minutos e anotou 22 pontos (6/11 de quadra e 4/7 de três), um jovem que deveria, em minha opinião, jogar como titular no lugar de Prigione, que por sinal não jogou bem ontem.
   Até o momento, os Warriors são os sétimos no oeste e enfrentam domingo os Raptors novamente fora de casa. Enquanto isso os Knicks, que não estão na zona de playoffs, vão à Chicago enfrentar os embalados Bulls no domingo.