terça-feira, 28 de março de 2017

"Eu sinto que sou melhor que ele"

Lonzo Ball se diz melhor que Markelle Fultz

   Lonzo Ball esta mostrando que herdou algumas coisas do seu pai, começando pela língua afiada. O jogador que é cotado como TOP 3 para o Draft da NBA de junho, disse hoje que ele é o melhor jogador da classe do Draft, ele disse que por consenso é melhor que Markele Fultz, cotado como a primeira escolha do Draft.
   "Markelle é um grande jogador, mas eu sinto que sou melhor que ele. Acho que posso liderar uma equipe muito melhor do que ele. Obviamente ele é um grande pontuador ... ele é um grande jogador, então eu não estou tirando isso dele". - comentou o jovem de 19 anos à ESPN Rádio 710 LA.
   Os comentários de Lonzo foram mais amáveis que do Ball mais velho: "Se você tivesse um garoto que faz tudo mundo melhor, você quer me dizer que você não iria levá-lo antes de um cara com média de 40 pontos , mas que a equipe está perdendo? Se você quer ser um vencedor, você escolhe meu filho".
   A maioria dos Mocks tem Fultz e Lonzo, ambos armadores, como escolha 1 e 2 respectivamente. Ball e UCLA Bruins ganharam do Washington Huskies de Fultz em dois confrontos diretos, com uma média de 37 pontos de diferença. Os jovens atletas possuem estatísticas similares, apesar de Fultz ter sido o sexto do país em pontuação.
   Markelle Fultz 1,93 m 23.2 pontos, 5.9 assistências e 5.7 rebotes com 47,6% de aproveitamento dos arremessos
   Lonzo Ball 1,98 m 14.6 pontos, 7.6 assistências e 6 rebotes com 55,1% de aproveitamento dos arremessos
   Enquanto nenhuma posição oficial foi definida, o Boston Celtics e o Los Angeles Lakers teriam respectivamente a posição 1 e 2 do Draft. Teoricamente, Fultz e Lonzo, e LaVar Ball já declarou que preferia ver o seu filho jogando pelo Lakers. Dificilmente será selecionado pelos Celtics. Sinceramente não sei dizer quem é o melhor, gosto mais do estilo de jogo do Fultz, mas não sei se ele será bem aproveitado no Boston Celtics, tendo Isaiah Thomas voando, e outros dois armadores no banco, provavelmente teria pouco espaço. No Lakers talvez tenha mais chances de jogar, uma equipe jovem e que poderia aproveitá-lo mais, mas ainda assim tem D'Angelo Russell que está jogando bem, mas poderia sim ajudar a equipe.
   E na sua opinião qual dos dois é melhor, Fultz ou Ball? 

segunda-feira, 27 de março de 2017

Heróis do passado: Reggie Lewis

Grande passagem na NCAA
   Hoje relembramos a história de mais um Celtic, Reggie Lewis, jogador que marcou época jogando pelo Boston Celtics entre os anos 80 e 90. Um ala que foi a 22° escolha mas que jogou muito bem e teve boas médias pela franquia, sendo eternizado no TD Garden com seu número aposentado.
   Lewis jogou basquete no ensino médio por Dunbar High School, onde jogou com Muggsy Bogues, David Wigate e Reggia Williams. Os Dunbar Poets de 1981/82 terminaram a temporada com 29-0 e no ano seguinte 31-0, sendo ranqueados como a melhor equipe do país pelo USA today.
   Na universidade atuou  por Norheastern University, de Boston onde jogou por quatro anos. Nesse período teve médias de 22.2 pontos, 7.9 rebotes e 1.5 assistências, sendo o líder de todos os tempos da universidade em pontos (2708) chegando ao torneio da NCAA em todas as quatro temporadas, sempre vencendo o título da ECAC Norte. Por tudo que fez com os Huskies teve o seu número 35 aposentado.
6 temporadas e uma carreira promissora
   Sua carreira na NBA começou em 1987, quando foi selecionado pelo Boston Celtics na 22° posição do Draft. O Celtics procurava renovar o seu elenco, primeiro pelo seu Big 3 envelhecido (Bird, McHale e Parish) e foi uma necessidade ainda mais urgente com a morte de Len Bias por overdose, que era a 2° escolha do Draft de 1986. 
   Em sua primeira temporada não teve muito espaço, jogava em média 8,3 minutos por jogo e teve médias de 4.5 pontos. Na sua segunda temporada com um novo treinador e uma lesão de Larry Bird, teve mais tempo de jogo e manteve médias de 32,8 minutos por partida, anotava 18.5 pontos e pegava 4.7 rebotes. Graças a sua temporada primorosa, foi selecionado para o seu único All Star Game na carreira em 1992.
   Na temporada 1991/92 e 1992/93, as duas últimas de sua curta carreira, teve médias de 20.8 pontos em ambas temporadas. Por que foram as últimas e uma carreira tão curta? Porque, infelizmente, aos 27 anos o jovem jogador faleceu por infarto durante um treino na Universidade Brandeis. Nos meses anteriores já tinha mostrado sintomas de problemas cardíacos, incluindo um colapso no jogo de abertura dos Playoffs contra o Charlotte Hornets. Sua morte foi atribuída a uma cardiomiopatia hipertrófica, que é considerada a causa de morte mais comum entre atletas jovens. 
   Em 1995 os Celtics aposentaram o número 35 em sua homenagem, Lewis em seis temporadas na liga teve médias de 17.6 pontos e 4.3 rebotes, morrendo muito jovem e no auge de sua carreira. Fica aqui nossa homenagem a esse jovem atleta que teve uma carreira muito boa, que teria sido ainda melhor.


sexta-feira, 24 de março de 2017

Eternizado

Eternizado no Staples Center
   Existem jogadores que são os donos da franquia, existem jogadores que são a cara da franquia, existem jogadores que marcam a franquia e existe o Shaquille O'Neal que foi tudo isso para o Los Angeles Lakers.
   Hoje no Staple Center foi colocada uma estátua de bronze em sua homenagem, hoje foi realizada uma cerimônia com sua família, ex-companheiros de equipe e treinadores presentes para prestigiá-lo. Shaq é o quarto Laker a ganhar uma estátua em sua homenagem, juntamente com Magic Johnson, Jerry West e Kareem Abdul-Jabbar, todos estes prestaram uma homenagem ao pivô hoje.
   Jerry West comentou: "Eu o amava como um filho". O Big Aristotle ganhou três campeonatos da NBA em oito temporadas com os Lakers, jogando um total de 514 partidas e com médias de 27 pontos, 11.8 rebotes e 2.5 tocos por jogo. Considerado por muitos o pivô mais dominante da história, pra mim também, Shaq tornou a NBA divertida com sua personalidade e dominou o jogo como ninguém, no garrafão sempre foi imparável e foi um dos jogadores que mais gostei de ver jogar. 
   Na cerimônia contaram uma história engraçada de seus tempos, Derek Fisher credita aquela cesta que fez com 0.4 segundos para o fim do jogo contra o San Antonio Spurs a Shaquille O'Neal. Porque? Ele disse que Shaq ensinou a seus companheiros a serem rápidos e ter um bom trabalho de pés, dizem que uma vez o pivô apareceu pelado em um treino de arremessos e corria atrás de todo mundo para abraçá-los numa brincadeira. 
   "Ele estava correndo atrás de alguém para abraçar, todo mundo estava tetando sair do caminho dele. É por isso que acertei esse arremesso contra o San Antonio Spurs em 2004, por isso que fomos tão bons em sair correndo da quadra". - disse para Mark Medina, do O C Register.
Isso é o tipo de coisa que resume a personalidade do Big Diesel, o pivô mais dominante que vi jogar.

terça-feira, 21 de março de 2017

"Mantenha o nome dos meus filhos fora da sua boca"

Lebron x LaVar os papais ficaram brabos

   Ao falar do filho mais velho de Lebron James, LaVar Ball o pai do calouro sensação da UCLA Lonzo Ball, cruzou uma linha aos olhos da estrela do Cleveland Cavaliers.
   "Mantenha os nomes dos meus filhos fora da sua boca, mantenha a minha família fora da sua boca" foi o que disse Lebron James sobre LaVar Ball no treino de arremessos da UCLA hoje pela manhã, de acordo com Dave McMenamim.
   "Isso é de pai para pai. Agora é um problema".
   Na semana passada o falador LaVar disse que Lebron James Jr. terá um tempo difícil vivendo a sombra do legado de seu pai quatro vezes MVP.
Ball disse: "Aqui está a coisa, você tem que jogar as probabilidades e as porcentagens. Foram muitos grandes jogadores e todos os seus filhos foram castigados. O filho de Kareem conseguiu? Não. Jordan teve filhos. Shaq tem filhos.".
   James Jr. tem se destacado no circuito AAU, e várias faculdades de grande nome já demonstram interesse pelo jovem como Duke e Kentucky, estão dispostos a lhe oferecer uma bolsa de estudos quando ele estivar elegível. Lonzo é cotado para ser uma escolha TOP 3 no próximo Draft com médias de 14.7 pontos, 7.6 assistências e 6.1 rebotes para os Bruins.
   Lebron disse sobre Lonzo: "Eu realmente gosto de seu filho. Eu gosto do seu jogo". Enquanto LaVar respondeu: "Ele pode falar sobre sua marca,  falar sobre basquete, falar sobre mim. Mas mantenha a minha família fora disso".
   LaVar é um falador do caramba, um cara arrogante e muito chato que acha que seus filhos serão melhores que Michael Jordan e sua arrogância vai transferir a raiva que as pessoas sentem por ele para os seus filhos. Confesso que Lonzo é muito bom jogador, mas não vi nada demais nos outros dois e sinceramente espero que sejam jogadores medíocres somente por esse pai mala. Ele fala de todos e acredita que é o dono da razão e ninguém vai falar nada, mexeu com a pessoa errada.

Heróis do passado: Cedric Maxwell

33 aposentado por UNC
   Hoje relembramos a carreira de Cedric Maxwell, um grande jogador que passou pela liga nos anos 80 e foi fundamental no período em que jogou pelo Boston Celtics. Quem não conhece essa lenda, se liga nesse texto.
   Maxwell teve uma carreira universitária muito boa, ele era o ala/pivô, pivô da UNC, onde tornou-se o sexto maior cestinha da história e levou a universidade ao Final Four da NCAA. Ele teve duas temporadas de pelo menos 20 pontos e 12 rebotes, tendo médias de 16.3 pontos e 10 rebotes em seus quatro anos de NCAA, tendo o seu número 33 aposentado pela UNC em 1977.
   Com uma carreira universitária boa, os olhos da NBA se voltaram para ele, Maxwell foi selecionado na 12° posição do Draft de 1977 pelo Boston Celtics. A sua chegada junto com a adição de Larry Bird mudaram os rumos da franquia, que vinha de uma temporada ruim (29-53) e criou uma dinastia. Maxwell foi impactante logo de cara, com médias de 19 pontos e 9.9 rebotes em sua segunda temporada.
   Ele era conhecido por seu jogo próximo a cesta muito refinado, conseguia cavar faltas com facilidade, conseguia fugir no ar da marcação, usava bem o contato, tinha um ótimo gancho e subia facilmente a cesta. Junto com Bird e Tiny Archibald, raramente arremessava de longe da cesta, o que ajudou os Celtics a ter um ataque equilibrado, com um jogo no garrafão que era difícil para a maioria dos adversários defenderem.
31 aposentado pelos Celtics
   Maxwell além de bom arremessador e defensor, foi um jogador clutch  nos Playoffs. Nas finais de 1981, em que foi eleito o MVP teve médias de 16.1 pontos e 7.4 rebotes, e três anos mais tarde, nas finais de 1984 contra o Lakers no jogo 7 fez a cesta da vitória. Sua personalidade também chamava atenção, por exemplo provocando James Worthy durante os lances-livres andando pela quadra com as mão no pescoço e falando "pressão". Ou usando óculos antes do jogo como Kurt Rambis e arremessando em frente aos fãs do atleta. 
   Na temporada de 84/85 se lesionou e perdeu o espaço na equipe para Kevin McHale, depois foi negociado para os Clippers por Bill Walton e uma escolha de Draft. Após um ano e meio foi novamente trocado, dessa vez para os Rockets por duas escolhas do Draft. Após essa temporada aposentou-se com médias de 12.5 pontos e 6.3 rebotes, tendo sido 2 x Campeão da NBA, 1 x MVP das Finais e teve seu número 31 aposentado pelos Celtics.


sexta-feira, 17 de março de 2017

Sempre eles

Dupla comandou vitória

   Com a vitória de ontem contra o Orlando Magic, o Golden State Warriors conquistou o seu terceiro título consecutivo da Divisão do pacífico.
   Com grande atuação dos Splash Brothers,  que combinaram para 54 pontos, os Warriors bateram o Magic por 122 a 92. No último mês os Warriors já haviam feito história, conquistando sua vaga nos Playoffs da forma mais rápida da história, batendo o seu próprio recorde em dois dias. 
   É apenas a quinta vez em que eles vencem a Divisão do pacífico na história, tendo passado 39 anos sem conquistar nenhum título. O time de Curry e cia agora têm um jogo e meio de vantagem para os Spurs, com duas vitórias consecutivas após uma série de três derrotas.
   Aonde esses caras vão parar? Sempre conseguindo feito incríveis.

quarta-feira, 15 de março de 2017

Conheçam Zion Williamson

Zion Williamson o fenômeno do high school

   Hoje venho aqui escrever sobre um fenômeno da internet, e claro do mundo do basquete, o jovem Zion Williamson. Talvez pelo nome você não se recorde dele, mas já viu quase que certamente um vídeo dele enterrando de forma absurda nos jogos Spartanburg Day High School.
   Zion Williamson é um jovem de 16 anos, que está apenas no segundo ano do ensino médio e já chama muita atenção na imprensa americana. Ele é considerado o melhor jogador do High School desde Lebron James, e claro, comparado constantemente ao King. No ranking feito pela ESPN norte americana (http://www.espn.com/college-sports/basketball/recruiting/playerrankings/_/class/2018/order/true), ele aparece em segundo lugar nos prospectos para a NCAA em 2018, ano que poderá participar do torneio universitário, e sabe quantas universidades querem ele? 27, isso mesmo 27! Dentre as propostas estão Kansas, Kentucky, UCLA, Georgetown, Louisville, North Carolina, tem pouca moral o rapaz.
   No campeonato do ensino médio, o ala/pivô de 2,04 metros e 104 quilos, têm médias de 36.8 pontos, 13 rebotes, 3 roubos de bola, 3.2 assistências e 2.5 tocos. Possuí um jogo muito rápido, dribla com facilidade, arremessa bem de fora, mas o que mais impressiona é o seu atleticismo nas enterradas, chega a ser ridículo. Abaixo trago um dos vídeos com suas jogadas, já fico imaginando esse cara na NBA, tomara que chegue voando e não se machuque logo de cara. Aparenta ter um grande futuro pela frente, se vai ser o próximo Lebron só o tempo dirá, mas que já está assustando no ensino médio está. 




segunda-feira, 13 de março de 2017

Heróis do passado: Frank Ramsey

Camisa 30 aposentada por Kentucky
   Hoje relembramos a carreira de Frank Ramsey, ala de 1,91 m que atuou toda sua carreira no Boston Celtics e fez parte da primeira dinastia da franquia e depois atuou uma temporada como treinador da ABA.
   Ramsey foi um multi esportista na Universidade de Kentucky, jogando beisebol e basquete. Sendo treinado pelo lendário Adolph Rupp, em 1951 no seu segundo ano de Kentucky, ajudou a equipe a ser campeã da NCAA batendo Kansas State por 68 a 58. No outono de 1952 um escândalo envolvendo Ramsey e outros três jogadores forçou Kentucky a perder a temporada seguinte por quatro anos. A suspensão da temporada fez com que a equipe fosse a primeira equipe de esportes da faculdade a receber a "pena de morte", embora não fosse nada além da NCAA pedir para as outras equipes não jogassem contra Kentucky.
   Ramsey, Hagan e Tsioropoulos, graduaram-se em 1953 e tornaram-se elegíveis para o Draft, sendo selecionados pelo Boston Celtics. Ramsey foi selecionado na 5° posição do Draft de 1953. Ainda assim, retornaram para jogar mais uma temporada pela equipe de Kentucky, uma temporada perfeita de 25 vitórias e nenhuma derrota, mas como as regras da NCAA não permitiam que alunos formados jogassem a final, a equipe de Kentucky se retirou da competição. Ramsey terminou a carreira por Kentucky com 1344 pontos, 4° posição da história da universidade na época e 1038 rebotes, recorde da universidade batido mais tarde.
Primeiro Sexto Homem da história
   Depois de jogar sua temporada de estreia com os Celtics em 1954/55, Ramsey se ausentou pelo temporada seguinte para servir nas forças armadas. Ao retornar para os Cletics, das oito temporadas em que atuou foi campeão em delas, 1957, e de 1959 a 1964, jogando junto com Bob Cousy e Bill Sharmann, Bill Russell, Sam Jones, K. C. Jones, Tom Heinsohn e John Havlicek. Ramsey atuou em 623 partidas com os Celtics, anotou 8378 pontos e teve médias na carreira de 13.4 pontos, 5.5 rebotes e 1.8 assistências. Sua melhor temporada foi a 1957/58 onde teve médias de 16.5 pontos e 7.3 rebotes, coincidentemente único ano em que não ganharam o título da NBA.
9 temporadas e 7 títulos
   Ele teve o número 30 aposentado pela equipe de Kentucky e o número 23 aposentado pelos Celtics, ele foi 7 x Campeão da NBA.
   Como treinador trabalhou na ABA no Kentucky Colonels levando a equipe até as finais com um registro de 32-25, mas perderam por 4 a 3 na série decisiva para o Utah Stars treinado por Bill Sharman seu ex-companheiro de Boston Celtics. Antes disso, ele tinha escolhido para substituir Red Auerbach nos Celtics em 1966, mas não assumiu o cargo pois seu pai estava muito doente.
   Ramsey foi um jogador histórico, juntamente com Auerbach que foi o criador da função de Sexto Homem, o treinador gostava de Ramsey vindo do banco pronto pra jogar e de colocá-lo na rotação quando os jogos estavam apertados. Ele foi o primeiro de muitos sextos homens que venceram campeonatos e tinham essa função com os Celtics. Por tudo que fez na carreira merecia essa recordação.


quarta-feira, 8 de março de 2017

"Eu acho que ele deve ser o novato do ano"

Brogdon é exaltado por Jason Kidd

   Para Jason Kidd, treinador do Milwaukee Bucks, o prêmio de novato do ano deveria ir para Malcolm Brogdon, seu atleta. Com a lesão de Joel Embiid após 31 partidas, e com as primeiras escolhas do Draft de 2016 ainda sem despontar na liga, a corrida para o prêmio de Novato do Ano está aberta.
"Eu acho que ele deve ser o novato do ano, pelo que fez sendo escolhido na segunda rodada. Isso provavelmente desequilibra um pouco". - disse o treinador dos Bucks à Charles F. Gardner do Milwaukee Journal Sentinel.
   Ao contrário de muitos novatos da NBA, que jogam apenas uma temporada na NCAA e vão para a liga principal, Brogdon atuou cinco anos por Virginia e tem 24 anos. Ele foi recrutado na segunda rodada, na 36° posição, e já ganhou a confiança de Kidd com seu jogo regular, maturidade e esforço defensivo.
   "Acho que é uma grande história. Ele é um estudante do jogo, trabalha muito duro, não apenas na quadra, mas fora dela, estudando filmes e fazendo perguntas. É divertido vir trabalhar quando você tem a oportunidade de treinar alguém assim".
   O ala de 1,96 m lidera os novatos em assistências (4.9), win shares (2.9), e percentual de bolas de três (42,5%), é o terceiro em pontos (10), além de de 2.7 rebotes e 1.1 roubos de bola. Ele teve dois momentos excepcionais nessa temporada, a enterrada na cabeça do Lebron e o fato de ter sido o primeiro novato a anotar um triplo-duplo. 
   Na corrida de Novato do Ano, Embiid ainda é o líder por tudo que fez com minutos reduzidos, temos Dario Saric também dos Sixers como forte candidato, Brogdon está no páreo e vale lembrar que quem escolha o Novato do Ano é um painel com membros da mídia. Se o novato do Bucks vencer o prêmio, se tornaria apenas o segundo atlteta da história da franquia de Milwaukee a receber a honraria, até o momento apenas um tal de Kareem Abdul-Jabbar conseguiu tal feito na temporada 1969/70.
   Acredito que Brogdon tem chances, mais pelo fato de os Bucks terem uma possibilidade de chegarem aos Playoffs, pois estão a 1.5 jogos da oitava e sétima colocação do Leste. E seria algo realmente formidável, a pouco tempo atrás Kidd já havia elogiado o Q.I. de basquete de Brogdon, e já vi muitos comentaristas falando de sua inteligência, que ele é o cara mais esperto dessa classe do Draft. Vamos ficar de olho e ver quem leva o título. E pra você quem vence?

terça-feira, 7 de março de 2017

Melhor que o pai

Se for tudo que Lebron diz, vai ser melhor que ele

   Sabe aquela história de tal pai, tal filho? As vezes os filhos são melhores que os pais e parece que isso pode acontecer com Lebron James Jr. de 12 anos.
   Nessa segunda-feira, Lebron o pai, em entrevista ao Cleveland.com disse que seu filho possuí habilidades de manipulação de bola e arremesso melhores que as dele com a mesma idade. "Eu não controlava a bola tão bem assim. Ele dribla excepcionalmente e arremessa muito melhor que eu naquela idade, mas eu sempre tive a habilidade para passar a bola. É bom vê-lo fazendo isso também".
   James Jr. está jogando por North Coast Blue Chips, onde possuí na temporada média de 8.9 assistências por partidas, seus vídeos com highlights bombam no Youtube. E realmente ele parece ter muito futuro, se for tão bom quanto o pai já será um astro, mas se conseguir ser melhor em fundamentos onde Lebron é ótimo, podemos ver o surgimento de uma All-Star. Tomara que Lebron fique realmente na liga até que seu filho chegue, seria demais velo jogando juntos ou um contra o outro. Abaixo apresento um do John Lucas All-Star Weekend.


Heróis do passado: Bill Sharman

Tempos de USC
   Relembrando hoje em nossa série, Bill Sharman, um dos grandes nomes da NBA nos 50 e 60, um ala de jogo refinado e que teve sucesso nas quadras como atleta e como treinador. Pra quem não conhece a história dessa lenda, cola aqui na postagem.
   Sharman completou o ensino médio em Central California, em Poterville. Durante a segunda guerra mundial serviu como marinheiro e graduou-se na Universidade de Southern California. Jogava basquete e beisebol pela universidade, em 1948 foi campeão de beisebol jogando como primeira base e em 1950, na sua última temporada foi eleito All-American no basquete.
   Entre 1950 e 1955, Sharman jogou beisebol profissional na liga menor pelo Brooklyn Dodgers. Ele chegou ao final da temporada 1950/51, mas não atuou em nenhuma partida. Nesse mesmo período, em 1950 ele foi draftado pelo Washington Capitols, na 2° rodada, 17° posição, foi escolhido pelo Fort Wayne Pistons na dispersão do Draft e depois trocado para o Boston Celtics. Na sua temporada de novato teve médias de 12.2 pontos, 3.5 rebotes e 1.3 assistências.
Curta carreira no beisebol
   Pelo Boston Celtics fez história, foi um dos primeiros alas da NBA a arremessar mais do que 40% dos arremessos de quadra. Foi sete vezes líder da NBA em aproveitamento de lance-livres que é um recorde, com seus 93,2% em 1958/59 foi o recorde da liga até a temporada de 1976/77. É detentor do recorde de lances-livres consecutivos nos Playoffs com 56, em dez temporadas com os Celtcis foi o cestinha duas vezes em 1955/56 (19.9 pontos) e 1958/59 (20.4 pontos), em três temporadas teve médias de 20 ou mais pontos. Foi 2 x All-NBA Primeiro Time, 3 x All-NBA Segundo Time, 8 x All-Star, 1 x MVP do All-Star Game e 4 x Campeão da NBA. Aposentou-se com médias de 17.8 pontos, 3.9 rebotes e 3 assistências.
Carreira brilhante como atleta
   Então começou sua segunda carreira, a de treinador. Em 1962 foi treinador do Cleveland Pipers levando a equipe ao título da ABL. Em seguida treinou o Los Angeles State por duas temporadas, na temporada de 1970/71 treinou o Utah Stars ao título da ABA e dividiu o prêmio de treinador do ano, renunciou seu contrato e assinou com o Lakers. Pelo Lakers fez ainda mais história, na sua segunda temporada comandando a franquia levou-os ao título da NBA, além de um recorde de 33 vitórias consecutivas, o recorde de 69-13, o primeiro campeonato do Lakers em Los Angeles e o primeiro da franquia em mais de 10 anos e claro, foi eleito o treinador do ano. Sharman é um dos dois únicos treinadores a serem campeões da ABA e da NBA.
Treinador de sucesso
   Ele foi um pioneiro na função de treinador, foi o criador do shootaround como forma de aliviar a tensão em dias de jogos. Sharman fazia isso na ABL, ABA e NBA, e depois do título com o Lakers todas as outras equipes adotaram essa estratégia de aquecimento. Por tudo que fez no basquete, é membro do Hall da Fama como jogador e como treinador. É um dos 50 melhores jogadores da história da NBA, ganhou ainda cinco títulos como dirigente do Los Angeles Lakers. Infelizmente faleceu em outubro de 2013 aos 85 anos.
   Por tudo que fez no basquete, como atleta, treinador e dirigente essa homenagem é mais que necessária, ele teve seu número 21 aposentado pelo Boston Celtics e o número 11 aposentado pela USC.




    

sexta-feira, 3 de março de 2017

Até os 40

Mais dois anos

   Dirk Nowitzki acredita que tem mais uma temporada no tanque.
   Depois de assinar um contrato de dois anos com o Dallas Mavericks no verão passado, o alemão 7 footer tem toda intenção de honrar totalmente seu contrato e planeja retornar para a sua 20° temporada no ano que vem.
Dirk disse: "Acho que sim ... a não ser que algo drástico mude aqui nas próximas semanas ou nas últimas semanas da temporada, o que eu não prevejo. Eu disse no verão passado: assinei um contrato de dois anos e que, obviamente, significou que quero jogar por mais dois anos. Quero terminar esse negócio".- comentou a Marc Stein no programa TrueHoop Conversations da ESPN.
   Com seu retorno para a temporada seguinte, o ala/pivô de 38 anos pode ser considerado um dos melhores de todos os tempos de sua posição, revolucionado a maneira de jogar com seus arremessos de três pontos consistentes. 
   Nowitkzki também comentou sobre as 20 temporadas: "Vinte é um grande número. Acho que 20 temporadas também com uma equipe, como estou tentando fazer, acho que só o Kobe fez isso, que é outra grande conquista. Então eu meio que quero fazer essa passagem para a 20°. Além disso, no verão estarei beirando os 40. Acho que também é um bom número para estar no campeonato ... de 20 a 40. Isso é o que eu estou almejando".
   Após a lesão no tendão de aquiles no começo da temporada, o alemão sugeriu em dezembro de 2016 que essa poderia ser a sua derradeira passagem pela NBA. Nowtzki disse essa semana que espera terminar forte a temporada, ter um bom ano e que não tenha muitas lesões no ano seguinte.
   Como bom fã da NBA que sou, acompanhei Nowtzki chegando na liga e provando que era um astro, com certeza um dos melhores ala/pivô e estrangeiros da história. Torço muito para que ele poça ter uma boa temporada no ano que vem, e mais, como ele deu a entender quando falou dos 40 anos, que possa jogar ainda mais um aninho e fazer história nos Mavericks como o maior de todos. 

quarta-feira, 1 de março de 2017

Panela quebrada

A panela perde sua alça

   Os fãs dos Warriors que perdoem o meu trocadilho, mas é cabível para a equipe e para seu algoz da temporada passada, os Cavaliers. Ambas equipes montaram duas panelas muito fortes para a temporada, os Cavs com as aquisições de Derrick Williams e Deron Williams reforçaram a equipe o suficiente para levar o leste com uma mão nas costas. E o Warriors com a chegada de Durant tornou-se favoritíssimo ao título da NBA.
   Porém, uma lesão está tirando o sono dos torcedores dos Warriors, a panela quebrou. Kevin Durant, que chegou e se tornou o principal jogador da franquia, liderando-a em pontos (25.3) e rebotes (8.2), sofreu uma lesão na terça a noite contra o Washington Wizards que parece ser bem grave. Com uma fissura na perna e um estiramento no ligamento medial colateral, a temporada do astro está ameaçada, pelo menos até os Playoffs.
   Os Dubs estão sendo muito cautelosos com a lesão, na quarta-feira KD chegou de cadeira de rodas a Oakland, e já expressaram o compromisso de deixar o super astro recuperar totalmente o joelho, para que não venha a representar um problema a longo prazo.
   Mesmo sem KD, os Warriors tem uma vantagem de quatro jogos para o San Antonio Spurs que está na segunda colocação da Conferência Oeste, mas com certeza será uma perda grande. Por mais que ainda tenham Curry, Thompson e Green, que já conseguiram vencer o campeonato, no ano passado não foram páreo para os Cavaliers que se reforçou e vem forte para tentar chegar mais uma vez as finais. Enquanto que os Warriors perderam seu reforço badalado e principal atleta até os Playoffs, podendo perder para o restante da temporada, o que pode significar muito nessa caminhada em busca de revanche, quem sabe decretando o final dessa caminhada.
   Só podemos agora esperar o tempo estimado para a recuperação de KD, de quatro a seis semanas e o quanto a sua falta vai significar para a Dub Nation, acredito que irão passar sufoco.