segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Renovar o Basquete Bageense


Reformaram a praça de esportes em Bagé. Na minha infância, as tabelas estavam lá e sem aro – por anos e anos. Jogávamos no Auxiliadora, após as aulas e nas tardes de sábado - muitos joguinho meia-quadra fizemos lá, na época de 2 x 2. Agora, a moda é o 3 x 3 ou streetball e o ambiente da praça é propício para isso. Mas o jogo é o mesmo, pois ainda jogamos em meia quadra e sem a sobrepujança do estilo And 1.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

O COB e o $$$


Essa semana, entre várias coisas, eu estava escrevendo sobre a situação da professora Kátia Rubio, sua obra e sobre o COB/Nuzman quando descubro que nosso comitê voltou atrás. Eu iria me referir ao Comitê Olímpico Brasileiro (COB) como o Tio Patinhas. Lembram dele? Quando enxergava uma chance de acrescentar uma moeda a sua caixa forte os olhos não brilhavam, mas transformavam a pupila e a iris em um cifrão. Isso me trás uma dúvida: de quem é a caixa forte do COB?

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

ainda sonho com um basquete forte

Quando eu conheci o basquete eu só queria atirar a bola na cesta, ver ela passar pelo aro, sentir o som dela na quadra... Logo eu queria vestir a camiseta da seleção, aquele uniforme listrado me encantava e minha equipe também tinha um uniforme listrado, da Adidas, lembro bem dele... Eu tinha um objetivo: aprender a jogar para jogar pela seleção. claro, eu desconhecia a politicagem no esporte e como os atletas do interior são desvalorizados, mesmo com algum talento – eu realmente tinha pouco tempo de quadra e quando me destaquei deixei o que todos chamamos de plano B, mas que deve ser o plano A: os estudos. Minha mãe não me deixou sair de Bagé. E foi justo. Perdi uma oportunidade, mas aprendi a lição.