segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Heróis do passado: Gary Payton

Um dos grandes da história
   Hoje os fãs do saudoso Seatle SuperSonics ficarão felizes, vamos relembrar a carreira do  The Glove, Gary Payton um dos grandes armadores e defensores da história da NBA.
   Nascido em Oakland, Califórnia, Payton jogou basquete universitário no Skyline High School, juntamente com outro ex-jogador da NBA, Greg Foster. Depois disso foi jogar por Oregon State na universidade, mas infelizmente em seu segundo ano suas anotas despencaram e ele se tornou inelegível. Depois que seu pai lhe aconselhou afocar nos estudos, ele conseguiu se recuperar e voltar a jogar, e em seus quatro anos de OSU foi um dos jogadores mais condecorados da história. Em 1990 foi capa da Sports Illustrated como o melhor jogador universitário do ano, foi três vezes consecutivas All-American, três vezes All-Pac-10 e nomeado o novato do ano na conferência Pac-10. 
   Sua passagem universitária foi tão boa que foi nomeado para o Time da Década da Conferência Pac-10, quando se formou detinha os recordes de pontos, arremessos, bolas de três, assistências e roubos de bola, com exceção das bolas de três, atualmente os recordes persistem. Ele levou a equipe a três torneios da NCAA, e entrou no Hall da Fama da OSU em 1996 com médias de 18.1 pontos, 4 rebotes e 7.8 assistências.
   Sua carreira na NBA começou no Draft de 1990 onde foi a segunda escolha pelo Seatle SuperSonics, na sua chegada teve de lutar por espaço com muitas estrelas, com duas temporadas com 8.2 pontos de média. Mas não demorou para provar que era um dos melhores armadores da liga, juntamente com Shawn Kemp formaram a dupla "Sonic Boom",  uma das mais empolgantes da história. Suas qualidades o fizeram nove vezes consecutivas All-Star, sendo votado como titular em 1997 e 1998, além de ser um monstro na defesa e ter um recorde de ser nove vezes seguidas eleito para o All-NBA Primeiro Time de Defesa, sendo o Jogador de Defesa do Ano em 1996. 
Trash-talkers
   Payotn possuía uma defesa tão boa que Jordan o considera como um dos melhores jogadores a marcá-lo, e sua melhor temporada com os SuperSonics foi a de 1996, onde venceram 64 partidas na temporada regular e foram as finais contra o Bulls de Jordan, perdendo em seis partidas. Sua trajetória com o SuperSonics durou até a temporada de 2002/03 quando foi negociado juntamente com Dasmond Mason, por Ray Allen, Kevin Ollie e Ronald Murray para o Milwaukee Bucks. O armador atuou nos 28 jogos restantes da temporada, com médias de 19.6 pontos e 7.4 assistências, os Bucks chegaram aos Playoffs mas perderam em seis jogos para os Nets. 
   Como agente livre irrestrito assinou com os Lakers, juntamente Karl Malone em busca de um título da NBA. Em 82 partidas que atuou e começou, teve médias de 14.6 pontos, 5.5 assistências e 1.2 roubos de bola, mas teve de se adaptar ao triângulo ofensivo, o que limitou sua posse de bola e seu jogo post-up. Payton conseguia segurar as pontas em partidas sem Kobe ou Shaq, mas nos Playoffs teve médias de apenas 7.8 pontos e lutou para tentar marcar Chauncey Billups nas finais da NBA que perderam para os Pistons. 
Heat e o título
   Na temporada seguinte foi negociado para o Boston Celtics, e ficou desapontado com o negócio. Ele foi trocado juntamente com Rick Fox, por Chris Mihm, Jumaine Jones e Chucky Atkins. Em fevereiro foi negociado para os Hawks em troca de Antoine Walker, e em seguida foi renunciado seu contrato, voltando assim como agente livre para os Celtics. Payton começou todos os 77 jogos que atuou nos Celtics, com médias de 11.3 pontos e 6.1 assistências, sendo campeão da Divisão do Pacífico, mas caindo para os Pacers na primeira rodada dos Playoffs.
   Em setembro de 2005 assinou um contrato com o Heat, atuando junto com Walker e Shaq antigos companheiros de equipe. Payton serviu como backup para Jason Williams, com 7.7 pontos de média e jogando 25 partidas como titular. Com o Heat conseguiu vencer o seu único título, sendo fundamental em muitas partidas com arremessos nos momentos finais das partidas, e isso o fez renovar por mais um ano com a franquia de Miami. Na temporada 2006/07, que foi sua última, tornou-se o 8° jogador que mais atuou na NBA, o 7° em minutos jogados e o 21° maior cestinha da história.
   Com uma carreira tão brilhante não poderia ficar de fora da nossa série, ele foi 1 x Campeão da NBA, 9 x All-Star, 9 x All-NBA Primeiro Time de Defesa, 1 x Jogador Defensivo do Ano, 1 x Líder em roubos de bola, Líder de todos os tempos em pontos do Seatle SuperSonics, tem o número 20 aposentado pela Universidade de Oregon State.

Postar um comentário