sexta-feira, 24 de maio de 2013

Baderna ao final do jogo: Flamengo, de novo!


Flamenguistas de plantão, não venham com ofensas e ameaças, pois o que vi na TV foi um grande ídolo comportando-se de forma inadequada para as conquistas, o respeito e a liderança que possui no basquete brasileiro.
Também não adianta o SporTV dizer que foi algo recíproco, porque isso é uma posição de defesa unilateral da verdade. Sim, a verdade – essa companheira que anda tão escondida em nosso meio. O que as imagens mostram, para quem não estava in loco como eu, é o Marcelinho apontando e colocando o dedo na cara do Fúlvio e dando uma cabeçada de cima para baixo – é me chamar de burro querer que eu acredite que os dois atletas encostaram testa com testa, sendo que o Marcelinho tem 2,00m e o Fúlvio 1,86m. Após a atitude do Marcelinho é que começa uma reação do Murilo.
Finalmente, Marcelino diz para perguntarem ao armador do Flamengo o que o Fúlvio disse. Ficou no ar algo ruim, mas ele mesmo disse que foi provocação pela vitória e depois diz que isso não se faz.
Bem, a provocação merece um destaque. O basquete é um jogo de invasão, de disputa territorial, de objetivo claro: um time “A” quer pontuar, passando a bola de cima para baixo pelo aro de defesa do outro time, o “B”. E esse time “B” não quer deixar isso ocorrer.
Sendo assim, há uma tentativa de superar o adversário e em esportes de contato é impossível não ocorrer provocações, frases de efeitos e contato corporal mais acentuado – não fosse isso os atletas não estariam malhando e fazendo outras coisitas para ficarem fortes.
Portanto, a provocação também faz parte do jogo, dentro da quadra e fora dela, especialmente fora dela, de maneira que se possa superar o adversário e já intimidá-lo para a disputa. O experiente Marcelinho sabe disso. O que não pode é essa disputa, ameaça ou provocação terminar em brigas, violência e exemplos negativos para a juventude.
Vamos lembrar que, ao chegar na final em 2011, no quarto jogo, o Flamengo já criou um tumulto generalizado em Brasília, tendo como consequência a troca de ginásio e a punição de alguns atletas, com evidente prejuízo para a equipe do DF. Imaginei que teriam aprendido a lição. Lá foram o Wagner e o Duda que começaram a bagunça. Ontem, em São José, foi o Marcelino. Interessante, né?
Por outro lado, a LNB tem que agir. Ver e rever as imagens, analisar relatórios e punir o responsável. Isso é bom. Moraliza o jogo e mostra que não toleramos essas atitudes. Façamos, no basquete, diferente do futebol.
Mas mais interessante vai ser se a LNB punir o protagonista e for atrás do que disse a SPORTV, que houve cabeçadas mútuas (Fúlvio pegou uma cadeira para igualar a altura das testas?), como acreditar que houve na Arena, no jogo 3, agressões mútuas – aliás, a atitude do Fúlvio, de jogar a bola, seja no rosto, na região genital, nos pés ou no tronco do adversário é totalmente licita pelas regras. Portanto nada pode ser pior do que dizer que ele jogou no rosto e isso não pode. Esse ato é um recurso legal e a bola vai pode ser jogada onde possa bater e, preferencialmente, correr para fora da quadra. Mas enfim, fico com medo da LNB suspender os "envolvidos": de um lado um armador que começa a atingir a maturidade na função, fundamental para o bom desempenho de sua equipe e de outro lado um grande jogador, mas que passou a temporada no banco e se só saiu de lá para criar essa confusão.

Bela maneira de reduzir a eficiência de uma equipe é provocar o melhor jogador e vibrar com a reação dele. Espero que a LNB esteja de olho nessa possível e óbvia manobra, na reincidência do Flamengo e no prejuízo para apenas uma das equipes se Fúlvio e Marcelinho forem suspensos. Só não dá para deixar por isso mesmo e desejar que o jogo na Arena seja maravilhoso. Esta nas mãos da LNB encontrar a solução mais justa para o que ocorreu em São José, considerando a reincidência do Flamengo e as contínuas agressões que o Fúlvio tem sido vítima. Nosso dever é proteger o talento, sem dar-lhe poder excessivo. Bela sinuca de bico... 
Diga-me o amigo leitor, o que a LNB deve fazer? 


Postar um comentário