sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Voleibol: o maior exemplo!

Durante quase três décadas tivemos o voleibol como o grande exemplo do desenvolvimento do esporte brasileiro. É possível sermos vencedores. Se não temos críticas ao profissionalismo dos técnicos (especialmente dos líderes dos selecionados nacionais, masculino e feminino), do nível de nossos atletas, das alegrias de suas conquistas e da dedicação ao esporte e às causas sociais por ex-jogadoras e ex-jogadores, não temos mais este orgulho com a organização do voleibol brasileiro.

Isto inclui o Sr. Carlos Arthur Nuzman, que vive um momento de ostracismo na mídia, velejando tranquilamente por causa das turbulências que atingiram a nossa maior estatal, mas que é o protagonista do sucesso do voleibol, dos Jogos Pan-Americanos no Rio de Janeiro em 2007 e dos Jogos Olímpicos Rio-2016. Toda essa visibilidade nem sempre é positiva, pois do Pan-2007 temos várias denúncias de corrupção, desvios, obras não entregues a tempo das competições ocorrerem, sucateamento das construções após os jogos e de sua gestão à frente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) é relatada como autoritária e recheada de manobras para afastar aqueles que querem mudanças no comitê.

O fato novo é a denúncia da Controladoria Geral da União (CGU) de que o Sr. Ary Graça e seus comparsas – sim, são uma quadrilha – desviaram milhões dos prêmios dos atletas, estes que sustentaram com suas paixões e dedicação o nível do voleibol. Sim, enganamo-nos ao pensar que era basicamente um sucesso administrativo. O voleibol brasileiro é o que é pela grandeza de seus atletas e formadores. E será eles que irão reerguer, com maior força e qualidade a modalidade – me parece que isto irá além dos resultados, mas com uma administração verdadeiramente transparente da modalidade.


@anabmoser tem razão: o voleibol é maior e, provavelmente, sairá fortalecido de mais este escândalo., deixando a lição de que o sinal de alerta deve ficar aceso em todo o esporte nacional, pois há denúncias comprovadas na natação, no atletismo, nas lutas... Portanto, para nós – educadores físicos, técnicos e atletas de alto nível – cabe a reflexão e o protagonismo de estarmos mais atentos ao que ocorre nos bastidores, pois por trás disso tudo, tem um jovem que sonha, que é iludido com a possibilidade de sucesso que se frustra quando as condições mínimas de formação lhe são negadas pelo simples fato de que o dinheiro do investimento na base virou pó exatamente por causa de pessoas inescrupulosas. Quando você resolver ficar em silêncio, pense bem nisso.
Postar um comentário