domingo, 8 de março de 2015

Heróis do passado: Magic Johson

O cara da liga nos anos 80
   Hoje a nossa série vai falar sobre um dos melhores de todos os tempos, meu armador favorito, o melhor da NBA antes de Jordan começar a jogar e um exemplo de superação. Estou falando do craque dos Lakers, Earvin Magic Johson o homem que trouxe ao basquetebol o show time.
   Magic cresceu em uma cidade chamada Lansing, e desde pequeno aprendeu a gostar de basquete, ele era fã de Bill Russell e tinha muitas influências em casa, seu pai havia sido atleta de basquete no high school em Mississippi, sua mãe jogou basquete quando criança e seus tios também. A sua superação começa aqui, Johson estava pronto para jogar no High School por Sexton uma escola que ficava a poucas quadras de sua casa, mas acabou indo para Everett onde seus irmão estudavam, uma escola só de brancos e com um racismo aflorado, onde pedras era arremessadas no ônibus que os transportava, e também onde seu irmão foi expulso do time de basquete por uma confusão devido a sua cor de pele. Johson começou a jogar mas por pouco tempo, mas loco explodiu devido ao total desrespeito por seus colegas de equipe, os quais o ignoravam todo o treino, nem mesmo lhe passando a bola, após quase se envolver em uma briga com outro atleta, Johnson aceitou sua situação e tornou-se o líder de um pequeno grupo de negros. Ainda assim, continuou na escola e jogou pela equipe, em seu segundo ano por Everett aos 15 anos foi apelidado de Magic após um triplo-duplo de 36 pontos, 18 rebotes e 16 assistências, mas o melhor estava por vir. Em seu último ano levou a equipe ao campeonato estadual com médias de 28.8 pontos e 16.8 rebotes, com um recorde de 27 vitórias e apenas uma derrota, com tais feitos foi duas vezes eleito para a All-State, foi All-American e considerado o melhor jogador saído de Michigan até o momento.
   Quando chegou a universidade teve a oportunidade de escolher algumas tops como UCLA e Indiana, mas escolheu jogar perto de casa e foi para Michigan State, mas só optou por ela porque o técnico Jud Heathcote o deixaria jogar como armador. No começo Magic era mais voltado aos estudos e não pensava em ser um jogador profissional, queria ser comentarista de televisão, e mesmo assim tinha médias de 17.0 pontos, 7.9 rebotes e 7.4 assistências por jogo, levando a equipe a um recorde de 25-5, ao título do da Big Ten Conference, chegando até o elite Eight e perdendo para os campeões do ano Kentucky. No ano seguinte Michigan State se classificou para o torneio da NCAA, chegou até a final e bateu a Universidade de Indiana que era liderada por Larry Bird, essa partida foi a mais vista da história do basquete universitário, Johson foi o MVP do torneio e encerrou sua carreira universitária com médias de 17.1 pontos, 7.6 rebotes e 7.9 assistências, sendo selecionado para a NBA em 1979.
  O astro foi a primeira escolha do Draft de 1979, a sua chegada era aguardada para formar dupla com Kareem Abdul-Jabbar e levar os Lakers ao campeonato, em sua primeira temporada foi nomeado para o All Rookie First Team e nomeado como titular para o Jogo das Estrelas, obtendo médias de 18.0 pontos, 7.7 rebotes e 7.3 assistências por jogo. No ano seguinte, 1980, os Lakers foram as finais contra os Sixers de Julius Erving, e no jogo 5 Abdul-Jabbar torceu o tornozelo e ficou de fora da partida decisiva (série 3 a 2 para os Lakers), sendo assim Magic jogou como pivô, anotou 42 pontos, pegou 15 rebotes, 7 assistências e 3 roubos de bola.  Sua atuação jogando como armador e pivô, o levou a ser o único novato a vencer um título de MVP das finais, e de quebra tornou-se um dos quatro atletas a vencer de forma consecutiva a NCAA e a NBA. 
   A temporada de 1981 marcou uma lesão na carreira do astro, com problemas no joelho esquerdo perdeu 45 jogos, seu retorno tão aguardado foi meio decepcionante perdendo para os Rockets na primeira rodada dos playoffs com um airball de Magic no último lance da partida. Depois disso, assinou um contrato de 25 anos e 25 milhões, que na época era o melhor da história, teve uma disputada com Westhead (assistente técnico) e pediu para ser negociado, Buss então mandou Westhead embora e o substituiu por Pat Riley. Mesmo se dizendo de fora da demissão do técnico assistente, Johnson foi vaiado em todas as partidas daquele ano, até mesmo por fãs dos Lakers. Mesmo com esses problemas extra quadra Johson teve médias de 18.6 pontos, 9.6 rebotes e 9.5 assistências e liderando a liga em roubos de bola 2.7, juntou-se a Oscar Robertson e Wilt Chamberlain como os únicos atletas da liga a combinarem para, pelo menos, 700 pontos, 700 rebotes e 700 assistências em uma temporada. Os Lakers foram novamente as finais contra os Sixers, vencendo de novo e com um triplo-duplo de Magic, e mais uma vez sendo o MVP das finais. Na temporada 82/83 foi pela primeira vez nomeado para o NBA All-First Team, chegou as finais mas perdeu para os Sixers. A partir de então começará sua batalha com os Celtics, chegando as finais e perdendo em 84, vencendo em 85 com médias de 18.3 pontos, 12.6 assistências e 6.2 rebotes por jogo na temporada e nas finais 18.3 pontos, 14.0 assistências e 6.8 rebotes disse que essa foi a vitória de sua carreira. Em 1985 foi campeão contra os Celtics, ganhando seu terceiro título de MVP das finais, com médias de 26.2 pontos, 13.0 assistências e 8.0 rebotes por jogo. Os Lakers foram campeões novamente em 88 contra os Pistons, e no ano seguinte perderam para a mesma equipe por conta de uma lesão muscular que tirou Magic dos jogos 3 e 4 das finais. Nas temporadas seguintes foram duas derrotas, para os Suns nas semifinais de conferência de 1990 e nas finais de 1991 para os Bulls de Michael Jordan, sendo assim Magic terminou sua última temporada com médias de 18.6 pontos, 12.4 assistências e 8.0 rebotes. 
Bandeja contra os maiores rivais da carreira
   Foi então que uma bomba foi lançada, em 1992 Magic descobriu após um treino que era portador do vírus HIV, optou por se aposentar imediatamente e disse que iria se dedicar ao combate dessa doença mortal. Mesmo com sua aposentadoria foi o atleta mais votado para o All Star Game de 1992, mesmo contra a vontade de alguns atletas que tinham medo do contagio com a doença durante a partida, Magic jogou e foi nomeado o MVP. Esse também foi o ano em que integrou o Dream Team, e levou o ouro nos Jogos Olímpicos de Barcelona. Após os Jogos Olímpicos, Johnson pensava em voltar mas vendo a reação de medo de muitos colegas optou por aposentar-se , para como ele disse: "não machucar o jogo." Magic voltou aos Lakers como técnico em 1994, mas não foi muito bem e após o término da temporada optou por abandonar o cargo, ainda voltou a jogar na temporada de 1995/96, com médias de 14.6 pontos, 6.9 assistências e 5.7 rebotes, ficando em 12° lugar na disputa de MVP. E aí sim, aposentou-se. 
   Por conta do HIV tornou-se um grande ativista na luta dos direitos dos portadores do vírus, trabalhando no congresso americano, criando ainda em 1991 uma fundação para o combate ao HIV, foi mensageiro da ONU no combate a AIDS e fez diversas campanhas alertando sobre a doença, tirando a imagem de que apenas homossexuais e viciados poderiam se contaminar. Johnson é o maior exemplo do esporte mundial na minha opinião.
   O astro mudou o mundo do esporte, revelou ter HIV e luta contra esse mal até hoje, foi o melhor armador da história (minha opinião) e não poderia ficar de fora da nossa série. Magic foi 5x Campeão da NBA, 3x MVP das finais, 3x MVP da liga, 12x All Star, 2x MVP do All Star Game, 9x All NBA First Team, 4x líder em assistências e 2x líder em roubos de bola. Antes de Jordan ele era o cara do basquete, trouxe o aspecto de show time com seus passes desconcertantes, terminou a carreira com médias de 19.5 pontos, 12.3 assistências e 7.7 rebotes. É ou né "Magic"?
Postar um comentário