domingo, 27 de dezembro de 2015

Heróis do passado: Alex English

Começo da carreira
   Hoje em nossa série vamos relembrar um ícone dos Nuggets, talvez o maior jogador da história da franquia. Contaremos a história de Alex English, que acreditem não foi selecionado no Draft em uma posição, muito pelo contrário e foi um astro, um Hall da Fama.
   Nascido em Columbia, na Carolina do Sul, English atuou no basquete universitário pela Universidade da Carolina do Sul. Depois, começou sua carreira na NBA em 1976, sendo a 23° da segunda rodada do Draft, chegou aos Bucks para ser um back up, após a saída de Kareem Abdul-Jabbar. Em 1978 tornou-se agente livre e foi atuar no Indiana Pacers, onde começou a mostrar o seu potencial como cestinha, com uma média de 16 pontos. Durante a temporada de 1979/80, foi trocado para os Nuggets, em uma das negociações mais desparelhas da história, os Pacers receberam George McGinnis, ex-Pacers que foi estrela nos tempos de ABA, mas ele já não era mais o mesmo e em 1982 aposentou-se, enquanto English não parava de evoluir.
Melhor período da carreira, anos 80 nos Nuggets
   English, começou a se destacar, já na temporada de 1980 teve média de 21 pontos, e começava a aparecer nos livros da NBA. Sempre pontuando bem, com médias de 24, 25, 28, 26, 28, cerca de 30 (em 1985-1986), 29, 25, 27 e 18 pontos por jogo durante seu período de pontuação farta, que durou uma década. Isso faz dele o jogador com mais pontos na história, em um período em que a NBA ganhava destaque nacional, isso sem nunca procurar ser o centro das atenções. Dominou totalmente os anos 80, liderou os Nuggets a nove Playoffs consecutivos, sendo o primeiro jogador a conseguir 8 temporadas consecutivas com 2000 pontos ou mais. Detinha 31 recordes da franquia em seu período, além de dois títulos da Divisão MidWest, chegou as finais de conferência em 1985 e foi o cestinha em 55% das partidas da equipe.
Atualmente é auxiliar nos Kings
   Após um período curto como agente livre, terminou sua carreira na NBA como um back up no Dallas Mavericks, com médias de 10 por jogo. Depois disso, ninguém mais o contratou na NBA, e após uma temporada na Itália, jogando no Napoli aposentou-se do basquete. Em 1992 teve seu número #2, aposentado pelos Nuggets, onde é o cestinha da história com 21654, foi 8 x All-Star, 3 x All-NBA Segundo Time, 1 x Cestinha da liga e maior cestinha dos anos 80. Terminou a carreira com médias de 21.5 pontos, 5.5 rebotes e 3.6 assistências, membro do Hall da Fama do Basquete e do Hall da Fama do Basquetebol Universitário, tem o numero #22 aposentado pela Universidade da Carolina do Sul e é o 17° maior cestinha da história da NBA.


Postar um comentário