segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Heróis do passado: Grant Hill

Monstro em Duke
   Hoje nossa série conta a história de um grande ala da liga, fez sucesso como atleta universitário e não foi diferente na NBA. Vamos relembrar a carreira de Grant Hill, ala que marcou seu nome pelos Pistons, Magic e Suns.
   Hill começou sua caminhada no basquete jogando por South Lakes, depois indo atuar pela Universidade de Duke. Ele queria jogar em Georgetown e seu pai o queria na Carolina do Norte, mas no final optou ir para Duke. Autou por 4 temporadas com os Blue Devils, onde foi bi-campeão da NCAA em 1991/92, tornando-se a primeira equipe desde a UCLA de 1973 a alcançar o feito. Em 1994 levou a equipe a final, mas foram derrotados por Arkansas Budweiser. No ano de 1993 ganhou o prêmio Henry Iba Corinthian como melhor jogador defensivo do país, em 1994 foi ACC Jogador do Ano. Durante sua carreira universitária tornou-se o primeiro jogador da ACC a anotar 1900 pontos, 700 rebotes, 400 assistências, 200 roubos de bola e 100 tocos. Por seus feitos, a Universidade de Duke aposentou o número 33 de Hill. 
   Sua carreira na NBA começou em 1994 quando foi a 3° escolha do Draft, selecionado pelo Detroit Pistons. Entrou voando na liga, na sua temporada de estreia teve médias de 19.9 pontos, 6.4 rebotes, 5.0 assistências e 1.77 roubos de bola, tornando-se o primeiro novato desde Isiah Thomas em 1981/82 a anotar 1000 pontos. Ele e Jason Kidd dividiram o prêmio de novato do ano, tornando-se o primeiro Piston desde Dave Bing em 1966/67 a ganhar o prêmio. Se tornou o primeiro novato da história a vencer a votação pelos fãs para o All-Star Game com 1, 289, 585 votos, tornando-se o primeiro novato das quatro grandes ligas a liderar uma votação para o All-Star Game.
   Na temporada de 1995/96 mostrou todas as suas habilidades como all-arounder, liderando a NBA em triplos-duplos e no mesmo ano ganhou a medalha de ouro olímpica com a Seleção Americana. Na temporada seguinte (1996/97) teve médias de 21.4 pontos, 9 rebotes e 7.3 assistências, tornando-se o primeiro jogador desde Larry Bird a ter médias de 20 pontos, 9 rebotes e 7 assistências, feito que nunca mais se repetiu, além de liderar a liga em triplo-duplos com 13. Ainda, ficou em terceiro lugar na votação para MVP, atrás de Malone e Jordan. Depois disso, passou a jogar como ala-pivô, e entre as temporadas 95/96 e 98/99 liderou a liga em assistências entre os jogadores que não eram armadores. Na curta temporada de 1999, líderou os Pistons em pontos rebotes e assistências, pela terceira vez, juntando-se a Wilt Chamberlain e Elgin Baylor como únicos a liderar suas equipe nesse quesitos por mais de uma temporada.
   Na temporada 1999/00 teve médias de 25.8 pontos, 6.6 rebotes e 5.2 assistências, mas mesmo assim com grandes médias os Pistons nunca foram longe nos Playoffs. Após as suas seis primeiras temporadas, tinha 9393 pontos, 3417 rebotes e 2720 assistências, junto com Bird, Lebron e Big O, são os únicos atletas da história a terem esses números nas suas seis primeiras temporadas. 
Muitas dificuldades no Magic
   Como agente livre irrestrito foi jogar no Orlando Magic, junto com T-Mac, onde esperava-se muito da dupla. Porém, a lesão no tornozelo do Playoff passado complicou a vida de Hill, ele jogou 4 partidas na sua primeira temporada em Orlando, 14 na segunda e 29 no terceiro. Na sua quarta temporada ficou toda de fora pelas lesões. Em março de 2003 passou por cirurgia no tornozelo, e cinco dias depois foi internado por uma infecção por Staphylococcus, ficando uma semana internado e tomando antibióticos intra-venosos por seis meses. Na temporada seguinte o velho Grant Hill voltou, teve médias de 19.7 pontos e atuou por 67 partidas. Na temporada seguinte mais uma vez as lesões o atordoaram, com lesões na virilha e uma hérnia que teve de operar, atuando em apenas 21 partidas, na época disse que se passasse por outra cirurgia pensaria na aposentadoria.
   Ele voltou na temporada de 2005/06, mesmo com os rumores de sua aposentadoria e atuou como ala em 65 partidas, antes de lesionar o joelho esquerdo e um tendão do mesmo pé. Ele terminou com médias de 14.4 pontos, 3.6 rebotes e 2.1 assistências. O Magic chegou aos Playoffs mas foi varrido pelos Pistons, o que fez Hill pensar se voltava para o Magic, trocava de equipe ou se aposentava.
   Em 2007 assinou com o Suns, chegou e foi nomeado capitão juntamente com Steve Nash, se adaptou rápido a equipe e foi fundamental para a franquia. Mesmo tendo uma apendicite, que lhe deixou duas semanas fora, atuou em 70 jogos, algo que não acontecia desde os tempos de Pistons. Na temporada seguinte, pela primeira vez na carreira atuou em todas as partidas, em 2010 tornou-se o primeiro jogador da história a vencer sua primeira série de Playoffs com 15 anos de carreira. Hill ainda renovou por mais duas vezes com os Suns, atuando na franquia até 2012, quando foi jogar pelo Los Angeles Clippers. Nos Clippers atuou somente uma temporada, com médias de 3.2 pontos e 1.7 rebotes em 15 minutos.
 Depois dessa temporada anunciou sua aposentadoria, após 19 temporadas na liga. Hill teve médias de 16.7 pontos, 6 rebotes e 4.1 assistências, um dos grandes da liga que não foi campeão. Foi 7 x All-Star, 1 x All-NBA Primeiro Time, Novato do Ano e do Primeiro Time dos Novatos. Atualmente trabalha na NBA TV como apresentador do Inside Stuff. Abaixo um vídeo do craque:

Postar um comentário