quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Os pilares dos Warriors

5 pontos que tornam os Warriors imbatíveis até o momento

   Com a vitória de ontem contra o Indiana Pacers, em Indianapolis, o Golden State Warriors chega ao absurdo recorde de 23 vitórias consecutivas. Será que alguém vai ganhar deles nessa temporada? O que os torna tão superiores aos adversários? Abaixo trago a vocês cinco motivos.
   1. Curry e a sua melhor temporada na carreira: É verdade que a temporada de Curry é absurda, não sabemos ainda por quanto tempo ele vai se manter assim, mas é o melhor basquete já apresentado pelo armador. Se a temporada terminasse hoje, ele teria a mais alta PER de todos os tempos, média de vitórias e pontos por cada 100 posses. Basicamente ele está pontuando mais do que qualquer um na história, e com uma eficiência jamais vista (70,7% de aproveitamento real). Individualmente converteu mais bolas de três que quatro franquias da liga. Converteu 9 por 13 em arremessos com mais de 8,80 metros de distância. Um jogador que a três temporadas não era projetado nem como estrela, hoje é joga melhor que todos os nomes da história do basquete. 
   2. Movimentação de bola: Os Warriors estão acertando 43,7% das bolas de três, e não é apenas Curry. O que os ajudou a não ser derrotado ainda, é a sua movimentação de bola. Eles tem por meta 30 assistências por jogo, por enquanto um pouco abaixo da média, com 28.9 assistências eles lideram a liga em assistências por posse. Quando a bola se move, procuram alguém com um bom ritmo para compensar uma noite ruim de outra pessoa. Os passes são alimentados pela atenção defensiva de Curry, combinado com a evolução da equipe em compreender o seu ataque. Steve Kerr disse que nesse segundo ano, seria quando o ataque daria um salto. Foi difícil de compreender o seu aperfeiçoamento, mas os resultados estão ai.
   3. Rebotes ofensivos de Ezeli: Tradicionalmente os Warriors são fracos em rebotes ofensivos, mas o pivô que vem do banco, Festus Ezeli não se preocupa com a tradição. A equipe foi a 21° no percentual de rebotes ofensivos na temporada passada, desde então pulou para a 4° posição. Muito disso por conta de Ezlei, um pivô forte e com grande envergadura que tem jogado mais e consegue 4.3 rebotes ofensivos por 36 minutos jogados. Todas equipes gostam de pegar rebotes ofensivos, mas os Warriors são fatais com eles. Eles aproveitam um raro momento em que a defesa está desarrumada, e normalmente Curry desmarcado na linha de três.
   4. Klay Thompson não perdeu nenhuma partida: O ala não está tendo a sua melhor temporada, mas a sua presença já faz muita diferença. Isso foi perceptível quando quase deixaram escapar uma vitória em casa para o Brooklyn Nets. Thompson ficou um bom tempo no banco por dor nas costas, e o ataque dos Warriors ficou abalado. Com ele em quadra, os defensores são atraídos por ele para fora do garrafão, o que facilita de pontuar no 4 contra 4. Thompson contínua sendo um fator decisivo nessa sequência de vitórias.
   5. Green é um All-Star: As estatísticas de Draymond Green falam por si: 13.3 pontos, 8.5 rebotes, 7.2 assistências, 1.4 tocos e 38,8% de aproveitamento das bolas de três. Ele sempre foi muito bom defensivamente, mas agora está progredindo ofensivamente. Na última temporada viu o advento "Drailbreak" posses, onde pegava um rebote e puxava o contra-ataque sozinho. Ele tem feito muito isso, dirigindo para si a armação quando Curry está com marcação dupla. Ele faz de tudo na quadra, contestando jumpers isolados. No basquete de hoje, isso tudo é mais do que bom.
Postar um comentário