terça-feira, 16 de agosto de 2016

Heróis do passado: Dave DeBusschere

Voando baixo desde a NCAA
   Hoje lembraremos a brilhante carreira de Dave Debusschere, astro dos Pistons e Knicks, que foi jogador profissional de beisebol no Chicago White Sox. O ala fez história na NBA, e é membro do seleto grupo dos 50 melhores jogadores da história, merece a recordação.
   Nascido em Detroit, DeBusschere jogou pela Escola Católica Preparatória Austin, inspirando uma tradição do basquete atual, a "white shirted legion", a tradição de jogar de camisetas branca para ficar mais visível aos fãs. Em seu segundo ano foi All-State, e no último ano (1957/58) levou sua equipe ao título do Ensino Médio Basquete Michigan Classe A, anotando 32 pontos antes de ser excluído por faltas no meio do quarto período.
   Na universidade, foi uma estrela do Beisebol e do Basquete na Universidade de Detroit. Com a equipe de basquete, levou-os até o Torneio Nacional duas vezes e uma vez ao torneio da NCAA, com médias absurdas, terminando a carreira com 24.8 pontos e 19.4 rebotes por jogo. E no beisebol levou os Titans a torneios da NCAA. 
Pitcher do White Sox
   Sua carreira no esporte profissional começou com o Chicago White Sox, onde assinou um contrato como agente livre amador. Ele jogava como pitcher, atuou por apenas uma temporada antes de optar pelo basquete profissional. Com sua ida para a NBA, ele é membro de uma lista de 12 atletas que jogaram nas duas ligas profissionais.
   Na NBA a sua carreira começou também em 1962, quando foi uma escolha territorial do Detroit Pistons. Em sua primeira temporada teve médias de 12.7 pontos e 8.7 rebotes, números que lhe colocaram na Equipe All-Rookie. Infelizmente, na sua segunda temporada se machucou e jogou apenas 15 partidas, o que resultou num recorde de 23-59 para os Pistons. Na temporada de 1964/65 fez algo histórico, atuou como atleta e treinador aos 24 anos, tornando-se assim o técnico mais jovem de todos os tempos. No entanto, sua passagem como treinador não foi bem sucedida e ele voltou a atuar apenas como jogador. Na temporada de 1968/69, foi negociado para o New York Knicks por Walt Bellamy e Howard Komives. Deixou o Pistons com médias de 16.1 pontos e 11.2 rebotes, chegando aos Playoffs em duas oportunidades como o líder da equipe, com médias de 19.6 pontos e 16 rebotes de média.
Astro nos Knicks, dois títulos da NBA
   Sua ida para os Knicks foi muito boa, em todas as temporadas com a franquia de New York foi eleito All-NBA Primeiro Time de Defesa, e conquistou por duas vezes o campeonato da liga. Em 1970 e 1973 conquistou o campeonato contra o Los Angeles Lakers, sendo um dos principais jogadores da franquia, um exímio defensor e muito efetivo no ataque, fundamental na conquista dos títulos. Pelos Knicks atuou por seis temporadas, onde obteve médias de 16 pontos e 10.7 rebotes e nos Playoffs 15.6 pontos e 11.6 rebotes. 
   Após a temporada 1973/74 aposentou-se do basquete, e teve o seu número 22 aposentado pelos Knicks. Alguns anos depois foi trabalhar no escritório do New York Nets da ABA, e foi comissário da ABA em 1975/76 ajudando na fusão das ligas. Posteriormente, foi trabalhar como treinador adjunto e diretor de operações de basquete na década de 80, selecionando Patrick Ewing na primeira posição do Draft de 85.
   Em sua carreira foi 2 x Campeão da NBA, 8 x All-Star, 6 x All-NBA Primeiro Time de Defesa, tem o número 22 aposentado pelos Knicks e é um dos 50 melhores jogadores da história. Com essa carreira brilhante, fica aqui a nossa homenagem a lenda.



Postar um comentário