segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Heróis do passado: Jerry Lucas

Um dos melhores da história da NCAA
   Hoje vamos relembrar a carreira de Jerry Lucas, um atleta de renome nos 60 e 70, atuando como ala/pivô ou pivô que sempre fez sucesso, desde os tempos de ensino fundamental. Na NBA fez sucesso no Cincinnati Royals, San Francisco Warriors e New York Knicks, vindo de uma passagem fabulosa em Ohio State.
   Lucas nasceu em Middletown, Ohio, um pouco antes da cidade se auto nomear A Capital do Basquete, graças ao sucesso de suas equipes no Ensino Médio. Os Middies já haviam ganho cinco campeonatos estaduais entre 1945/55 antes de Lucas jogar em Middletown High. Jovem de uma família alta, foi incentivado a jogar basquete desde os 12 anos, aos 13 já tinha 1,82 m.
   Além do apoio local a equipe de basquete de Middletown High, a cidade foi palco de um dos grandes momentos do basquete no verão, na Sunset Park. Jogadores da cidade que jogavam na universidade retornaram para jogar, Lucas que estava com 15 anos e 2,01 m jogou contra esses atletas, melhorando muito suas habilidades. Graças a sua boa visão, Lucas desenvolveu a habilidade de poder calcular onde os rebotes cairiam, observando o arco da bola e a velocidade, conseguia se posicionar para o rebote, habilidade que lhe tornou um dos melhores reboteiros da história. 
   Lucas começou a jogar para a equipe da escola em seu segundo ano, na temporada 1955/56 com 15 anos acertando 60% dos arremessos, sendo uma das estrelas da equipe. Terminando invictos a temporada de 55/56, tornaram-se Campeões Estaduais e Co-Campeões Nacionais junto com a equipe de Oscar Robertson o Indianapolis Crispus Attucks. Na temporada de 56/57 foram novamente campeões estaduais invictos e campeões nacionais. Para sua última temporada Lucas era considerado o melhor jogador do país no ensino médio, e detentor de recordes totais pela equipe, de pontos e precisão de arremessos. Com a derrota para Columbus North, a equipe de Lucas teve um recorde de 76-1 com o atleta, e as 76 vitórias consecutivas continuam como o recorde do estado. Nas suas três temporadas no ensino médio foi eleito Jogador do Ano do Ensino Médio e duas vezes Jogador Nacional do Ano no Ensino Médio.
O começo
   Em 1958 foi escolhido pelo Cincinnati Royals, como uma escolha territorial do Draft, graças a sua brilhante carreira no ensino médio, sendo considerado um dos melhores atletas de ensino médio da história. A educação era sua prioridade, assim aceitou uma das 160 bolsas de estudo que recebeu e foi atuar na Universidade de Ohio State. Em sua primeira temporada na NCAA foi campeão, tendo médias de 26.3 pontos, 16.4 rebotes e 63,7% de aproveitamento dos arremessos, na temporada seguinte foram novamente as finais e perderam, onde Lucas tornou-se o único jogador da universidade a anotar um 30-30, com 33 pontos e 30 rebotes. No ano seguinte chegaram novamente as finais, onde Lucas jogou machucado, pois havia dito que não seria profissional, e novamente perdeu a final. 
   Ele foi All-American nos três anos de NCAA, teve o seu número (11) aposentado e ainda hoje é considerado o melhor jogador da história da Conferência Big Ten, sua equipe teve um recorde de 78-6 e ele foi eleito o Atleta Masculino do Ano pela Sports Illustrated de 1961. Seu sucesso lhe rendeu uma vaga na Seleção dos EUA nos Jogos Olímpicos de 1960, sagrando-se medalhista de ouro.
   Sua carreira na NBA começou efetivamente em 1963, quando assinou um contrato com o Cincinnati Royals. Chegou a cidade e fez a venda de ingressos explodirem, juntou-se a Oscar Robertson e levou a franquia ao segundo melhor recorde da liga. Seu papel na equipe era o de pegar rebotes, jogando como ala em sua primeira temporada, teve quatro jogos com 30 rebotes e um jogo de 40 rebotes, maior marca da história para um ala. Foi o novato do ano e liderou a liga em percentual de arremesso, tendo médias de 17.7 pontos, 17.4 rebotes e 52,7% de aproveitamento. Nesse ano perderam nas finais de conferência para os Celtics.
   Nas temporadas seguintes tornou-se o principal nome da equipe, nas temporadas 64/65 4 65/66 teve médias de mais de 20 pontos e mais de 20 rebotes. Na temporada 65/66 teve 21.1 rebotes de média e 1668 no total, recordes de todos os tempos para um ala. As dores no joelho quase acabaram com sua carreira na temporada de 1965/66, mas ele conseguiu um medicamento que permitiu que sua carreira fosse porrogada.
 
Passagem em San Francisco
 Lucas atuou até a temporada 1969/70 pelos Royals, quando teve problemas com Bob Cousy, o treinador da equipe, e utilizou uma clausula de seu contrato que permitia que escolhesse uma franquia para atuar, assim indo para San Francisco. Ele quebrou a mão direita e ficou de fora de boa parte da temporada, recuperando-se no ano seguinte, com médias de 19.2 pontos e 15.9 rebotes, chegando aos playoffs e perdendo para os futuros campeões, Milwaukee Bucks.
Título e ponto final
   Na temporada seguinte, considerado um dos melhores reboteiros e arremessadores da liga foi negociado para os Knicks para fazer backup  de Willis Reed e Dave DeBusschere. Aos 31 anos viveu sua melhor temporada na carreira, liderando os Knicks em rebotes e percentual de arremessos, e em segundo na pontuação. Sua habilidade de arremessar de longe mudou as defesas, na época não havia linha de três, mas se houvesse ele teria tido uma temporada com 51,2% de aproveitamento. Na temporada de 1971/72 foi as finais e perdeu para o Lakers, mas no ano seguinte não deixou o título escapar. Com esse título da NBA, tornou-se o primeiro atleta da história campeão no ensino médio, universidade, Jogos Olímpicos e NBA. No ano seguinte, seu último, chegou as finais de conferência e perdeu para o Boston Celtics.
   Lucas se aposentou da liga como quarto da história em média de rebotes e quinto no total, teve médias de 17 pontos, 15.6 rebotes e 3.3 assistências por jogo, foi 1 x Campeão da NBA, 7 x All-Star, 3 x All-NBA Primeiro Time, Novato do Ano e 1 x MVP do All-Star Game. O pivô marcou época na liga, jogando em uma das décadas mais competitivas (60), conseguindo dominar o jogo em todos os níveis em que disputou e fazendo o seu nome na história, sendo membro do Hall da Fama e um dos 50 melhores jogadores da NBA. Aqui fica registrada nossa singela homenagem.

Postar um comentário