segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Heróis do passado: Brandon Roy

Boa carreira universitária
   Hoje nossa série relembra Brandon Roy, um ala formidável que passou pela NBA e era astro em Portland, mas que teve sua carreira interrompida pelas lesões. Uma pena, pois o jovem atleta era um dos grandes nomes da geração dos anos 2000, quem lembra dele ou não conhecia, vem comigo.
   Brandon Roy começou a jogar basquete ainda no ensino fundamental, mas começou a se destacar na Garfield High School, de Seatle, quando foi considerado um dos melhores jogadores do ensino médio no estado. Por conta de seu jogado brilhante, ele foi cotado para entrar no Draft de 2002 sem nem mesmo ir para a Universidade, mas Roy desistiu da ideia, na época tinha sido rankeado como o 6° melhor ala e o 36° atleta para a classe de 2002. 
   Ele passou por dificuldades para chegar a universidade, seus pais e irmão não haviam frequentado a faculdade e sua dificuldade de aprendizagem lhe fizeram tentar quatro vezes o teste para atingir os requisitos da NCAA. Roy nem sabia se conseguiria cursar os quatro anos da universidade, ele cursou e se formou em Estudos Étnicos Americanos. E logo em sua primeira temporada foi cotado para o Draft, mas não tentou pois sabia que Nate Robinson e Martell Webster, seus companheiros de UW se inscreveram para o Draft. 
   Roy viu uma possibilidade de subir nos rankings de seleção se ficasse na Universidade de Washington por mais tempo. Ele anotou 35 pontos em dois jogos seguidos, marcas que eram a sua mais alta da carreira e o recorde da equipe. Na sua última temporada com médias de 20.2 pontos, 5.6 rebotes e 4.1 assistências, foi eleito jogador do ano da Pac-10 e foi All-American, além de ser finalista para os prêmios, Wooden, Naismith, Oscar Robertson e Adolph Rupp, levando a equipe ao Sweet 16 pela segunda fez seguida e postulando um recorde de 26-7.
Uma carreira brilhante interrompida por lesões
   Sua carreira na NBA começou em 2006, quando foi a 6° escolha do Draft pelo Minnesota Timberwolves, imediatamente trocado para o Trail Blazers por Randy Foye. Seus dois primeiros jogos foram muito bons, anotando 20 e 19 pontos respectivamente, porém já apareciam as lesões. Após um choque em seu calcanhar, Roy perdeu 20 jogos na temporada, mas ainda assim foi o cestinha dos novatos, participou do All-Star Game e foi o novato do ano jogando apenas 57 partidas, segunda menor marca da história.
   Na temporada seguinte foi titular nos primeiros 48 jogos, levou a equipe a 13 vitórias consecutivas, foi um reserva no All-Star Game, mas se machucou antes do fim de semana das estrelas e atuou com o tornozelo machucado. Na pré-temporada de 2008 fez uma cirurgia para retirada de um pedaço de cartilagem que lhe causava irritação no joelho esquerdo, o que lhe fez perder várias semanas, mas estava pronto no primeiro jogo da temporada. 2009 foi um ano mágico, ele anotou seu recorde de pontos (52), igualou o recorde da franquia em roubos de bola (10) e a partir de 16 de fevereiro teve 24 arremessos que empataram ou ganharam partidas nos últimos 35 segundos.
   Em 2010 foi pela terceira vez selecionado ao All-Star Game mas teve de se afastar por uma lesão no tendão direito. Em abril sofreu uma fratura no joelho direito e teve de passar por cirurgia. Na temporada seguinte as coisas pioraram de vez, Roy passava por problemas nos joelhos que lhe incomodavam desde a universidade e em dezembro foi anunciado que estava fora por tempo indeterminado. A partir disso começou a se especular que ele não jogaria mais ao nível de All-Star, em janeiro de 2011 passou por uma artroscopia nos joelhos, mas retornou em fevereiro. Infelizmente, não jogava mais como antes e assumiu um papel vindo do banco.
Timberwolves, último suspiro
   Durante o lockout de 2011 anunciou que se aposentaria porque seus joelhos não lhe deixavam jogar. Em 2012 tentou voltar, fez um procedimento com plasma rico em plaquetas, assinou com os Wolves e sentiu-se muito bem durante o campo de treinamento. Porém, sofreu um choque durante um jogo de pré-temporada e após cinco jogos da temporada regular teve de operar o joelho direito lhe tirando da temporada. Em maio de 2013 foi dispensado pelos Wolves e acabou sua carreira.
   Roy foi um grande jogador enquanto saudável, infelizmente seus joelhos lhe encurtaram a vida útil como atleta e lhe renderam sete temporadas. Nesse período foi 3 x All-Star, 1 x All-NBA Segundo Time, 1 x All-NBA Terceiro Time, Novato do Ano e All-Rookie Primeiro Time. Pena que não ficou saudável por mais tempo, pois certamente seria um dos grandes nomes da liga.


   
   
Postar um comentário