segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Heróis do passado: Rolando Blackman

Brilhando na NCAA
   História é o que nos move nessa série, hoje é dia de relembrarmos Rolando Blackman, um dos grandes nomes da história do Dallas Mavericks e do basquete universitário. O ala/armador fez sucesso por onde passou, até mesmo na Europa depois de deixar a NBA, onde atuou por duas equipes, na França e Itália.
   Blackman nasceu no Panama e foi criado no Brooklyn, em Nova Iorque, depois foi jogar por Kansas State, onde fez sucesso imediato e com médias consistentes. Durante os quatro anos que atuou em Kansas teve médias de 15.2 pontos, 5 rebotes e 2.7 assistências, sempre melhorando as médias por temporada e seu aproveitamento dos arremessos e lance-livre. Foi nomeado o Jogador do Ano da Conferência Big Eight, All-American, três vezes unânimes indicado para All-Big Eight Time, três vezes o jogador de defesa do ano da Conferência Big Eight, com 1844 pontos é o segundo maior cestinha da universidade, foi selecionado para os Jogos Olímpicos de 1980 como titular, mas não participou devido ao boicote dos EUA. Por conta desses feitos teve o número 25 aposentado por Kansas State e é membro do Hall da Fama do Basquete Universitário.
Panamenho foi um dos grandes alas da história
   Na NBA sua carreira começou em 1981, quando foi a 9° escolha do Draft pelo Dallas Mavericks, tornando-se assim o primeiro jogador nascido no Panamá a entrar na liga. Com o Dallas Mavericks jogou por 11 temporadas, jogou seis Playoffs com os Mavs tendo médias de 21.6 pontos, melhor que sua média na carreira, mas sem obter grandes resultados. Com os Mavs foi o cestinha da história da franquia com seus 16643 pontos, até ser batido por Dirk Nowitzki, detalhe que Blackman nunca perdeu uma partida pela franquia de Dallas, jogando 865 partidas.


Fim da carreira perto do título da NBA de 93
   Suas duas últimas temporadas foram com o New York Knicks, em seu último ano de NBA jogou junto com Derek Harper ex-companheiro de Mavs, chegando até as finais da NBA de 1993 onde perderam para  os Rockets em sete jogos. Quando se aposentou da NBA tinha o maior número de pontos entre jogadores hispânicos, latinos, até que pau Gasol lhe ultrapassou em 2015. Deixou a NBA com médias de 18 pontos, 3.3 rebotes e 3 assistências por partida, foi 4 x All-Star e teve o seu número 22 aposentado pela franquia de Dallas em 2000.  
   Depois da NBA foi jogar na Grécia onde não teve muito sucesso, migrou para Itália onde jogou na Inter de Milão, foi campeão italiano e da Copa da Itália com média de 15.3 pontos, sendo o MVP do torneio. Com a Inter chegou as finais da Copa Korag mas perdeu para o Efes Pilsen Stanbul. 
   Fica aqui nossa homenagem para esse ícone do basquete, um dos bons estrangeiros que brilharam na NBA.


   
Postar um comentário